João Pessoa, 01 de fevereiro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Antônio Colaço Martins Filho é chanceler do Centro Universitário Fametro – UNIFAMETRO (CE). Diretor Executivo de Ensino do Centro Universitário UNIESP (PB). Doutor em Ciências Jurídicas Gerais pela Universidade do Minho – UMINHO (Portugal), Mestre em Ciências Jurídico-Filosóficas pela Faculdade de Direito da Universidade do Porto (Portugal), Graduado em Direito pela Universidade Federal do Ceará. Autor das obras: “Da Comissão Nacional da Verdade: incidências epistemiológicas”; “Direitos Sociais: uma década de justiciabilidade no STF”. E-mail: colaco.martins@unifametro.edu.br

Competências e Valores

Comentários:
publicado em 01/02/2021 às 14h38
A- A+

A sociedade demanda profissionais competentes. Para além dos conhecimentos e habilidades, esses profissionais devem articular e colocar em ação valores e atitudes que proporcionem um desempenho eficaz no mundo do trabalho, conforme entendimento do Conselho Nacional de Educação (Resolução CEB/CNE nº 4/1999).

Para o educador alemão John Erpenbeck (foto), o processo de educação em torno de competências envolve a interiorização de valores, normas e regras. Competências não são transmitidas da mesma forma que o conhecimento. Erpenbeck defende que, para assimilar competências – notadamente às socio-comunicativas e pessoais – faz-se necessário expor os estudantes a situações emocionais em que sejam abordados valores políticos, de visão de mundo, éticos e morais.

A ideia de que o estudo deve envolver atividades de dramatização, em que o aluno é instado a assumir papéis predefinidos é, ademais, fartamente relatada na literatura especializada e em documentos de organismos internacionais. As simulações educacionais têm o condão de reforçar ou dissipar valores do educando, por meio da rotulação emocional.

As Diretrizes Curriculares Nacionais – DCN´s, os Planos de Desenvolvimento Institucional – PDI´s, e os Projetos Pedagógicos dos Cursos – PPC´s, secundados pelas ementas das unidades curriculares e pelos planos de ensino, exprimem as competências, habilidades e os conteúdos de cada curso. Como visto, as competências, principalmente as de cunho não cognitivo, implicam a assimilação de valores.

Embora as DCN´s sejam pródigas na enumeração de competências, elas tendem a ser lacônicas quando se trata dos valores que lhes são subjacentes. As DCN´s são normas emanadas do Conselho Nacional de Educação que vinculam as Instituições de Ensino Superior de todo o país. Por seu caráter nacional e por emanarem de ente estatal, entendemos que a previsão exaustiva de valores afetaria o princípio da liberdade de ensino.

Do ponto de vista da relação aluno-universidade, os PPC´s também não costumam se aprofundar no que tange aos valores umbilicados às competências. Dessa forma, a atividade de definição dos valores costuma ficar a cargo do docente, que o fará de forma mais ou menos consciente. Nesse sentido, para cultivar a competência socio-comunicativa da tolerância, o professor pode trabalhar, entre outros, os valores da igualdade, da paz, da justiça etc. De permeio, cada um desses valores pode ser abordado a partir de uma ou várias visões de mundo, muitas vezes, conflitantes. Em que pese as múltiplas possibilidades, a escolha dos valores e a forma de abordá-los interfere no resultado final.

O estado atual de polarização de concepções políticas e ideológicas demanda, a nosso ver, uma especial atenção aos valores e às atividades simuladas no ambiente universitário (presencial e virtual). Os gestores universitários – mormente coordenadores de cursos – em conjunto com os respectivos professores, poderiam fazer um levantamento dos valores atualmente ventilados pelos professores em suas respectivas disciplinas. Uma vez realizado esse levantamento de valores, é primordial a sua divulgação perante o corpo discente.

Em jeito de conclusão, o processo da educação por competências implica uma transformação pessoal, uma mudança interior, com introjeção de novos valores e regras. É imperioso, portanto, ser transparente para com o corpo discente acerca dos valores subjacentes às competências que se busca fomentar, bem como acerca das praticas  voltadas ao desenvolvimento dessas competências.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!