João Pessoa, 24 de novembro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Hildeberto Barbosa Filho

Poeta, escritor e professor da UFPB. Membro da Academia Paraibana de Letras. E-mail: hildebertopoesia@gmail.com

    24/11/2021
  • 07h14 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    “Criança também é gente”

    Se é verdade que criança também é gente, conforme título de livro da psicóloga Léa Lerner, é verdade, não menos, que as noções de inocência e anjelicalidade nem sempre... Continuar Lendo

  • 17/11/2021
  • 07h15 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Campina Grande

      Campina Grande é também minha terra natal. Divide, com Aroeiras, minha querida Comarca das Pedras, e com João Pessoa, eterna Philipeia de Nossa Senhora das Neves, os signos... Continuar Lendo

  • 10/11/2021
  • 06h58 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Esta lua!

    “Esta lua” é e não é aquela lua que, romântica, derrama seus raios sobre as sensíveis enseadas dos amantes nas cálidas noites de solidão e de estrelas excitadas. É... Continuar Lendo

  • 03/11/2021
  • 06h55 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Dois poemas

    Código das águas A rigor, não ir além do verso das águas, escandir apenas a faixa do mangue e seus labirintos opacos. No máximo, reparar na ilha cimentada, quase... Continuar Lendo

  • 27/10/2021
  • 07h05 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    A verdade e a beleza da dor

    “O homem com uma dor ∕ se veste mais elegante”, diz Paulo Leminski (foto) , num de seus poemas. Quem gostava muito destes versos era o poeta Lúcio Lins,... Continuar Lendo

  • 20/10/2021
  • 07h02 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Loucos líricos

    Parece estranho, mas é verdade: sempre gostei dos loucos. Dos loucos de todo gênero, na curiosa classificação do caduco Código Civil de 1916, aquele mesmo que pôs Clóvis Beviláqua,... Continuar Lendo

  • 13/10/2021
  • 07h12 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Beber…

      Se for dirigir, não beba; se for beber, me chame! Adoro este slogan, pois, desde rapazola, fui sempre dado a bebidas. Não sou dos que pensam que beber... Continuar Lendo

  • 06/10/2021
  • 08h23 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Morrer é preciso

    A morte é um fenômeno natural, uma ocorrência cotidiana, uma experiência da qual ninguém escapa. Há nela, portanto, um princípio de igualdade que se sobrepõe às diferenças e distorções... Continuar Lendo

  • 29/09/2021
  • 07h54 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    O futebol e seus derivados

      O futebol ultrapassa, sim, os limites dramáticos de uma simples partida. E é por isto mesmo que o apaixonado pelo espetáculo do tapete verde não só se interessa... Continuar Lendo

  • 22/09/2021
  • 07h32 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Um pouquinho de poesia

      Poesia é quando a pedra é pluma, e a pluma é pêssego, e o pêssego é pássaro, e o pássaro é ponte entre o poleiro e o canto.... Continuar Lendo

  • 15/09/2021
  • 08h04 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Vou por aí

      Na Praça do Meio do Mundo, descendo a Serra da Borborema, corto à esquerda e adentro a larga estrada dos Cariris. Dirijo a cem quilômetros por hora, ao... Continuar Lendo

  • 08/09/2021
  • 07h27 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Lembranças, nada mais

    “A flor do meu bairro ∕ tinha o lirismo da lua”, cantava Nelson Gonçalves (foto), pela difusora do Bairro da Liberdade, na Serra da Borborema, sempre às tardes de... Continuar Lendo

  • 01/09/2021
  • 07h33 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Mulheres

    Existem as hegelianas. São raras como a verdade filosófica. As que só leem Montaigne e gozam depressa, com tédio e sem viagens. Não gosto muito das que dormem com... Continuar Lendo

  • 25/08/2021
  • 07h35 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    Toda poesia é erótica

      Dinarte Bezerra, professor do curso de Comunicação Social da UFPB, convida-me para participar de uma mesa redonda sobre Literatura e Erotismo, em seminário sob a sua coordenação. Pede-me... Continuar Lendo

  • 18/08/2021
  • 07h35 COLUNA - Hildeberto Barbosa Filho

    A lavoura das palavras

    Ontem fui arar o roçado das palavras à cata de semear a lavoura das ideias, mas não plantei nem colhi nada, pois o tempo é de seca nos cariris... Continuar Lendo