João Pessoa, 19 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
FUTEBOL

Seleção feminina sai na frente mas perde amistoso para Austrália

Comentários:
publicado em 19/09/2017 às 09h42
atualizado em 19/09/2017 às 06h43
A- A+

O Brasil perdeu por 3 a 2 para a Austrália nesta terça-feira no segundo amistoso no país adversário nesta data Fifa – o outro foi no último sábado e a equipe verde e amarela foi derrotada por 2 a 1.  O time comandado por Emily chegou a sair na frente a 1 minuto de jogo com boa jogada trabalhada. Bia garantiu o jogo de corpo em cima da marcação e abriu para Marta na esquerda. A camisa 10 cruzou rasteiro para Fabi Simões chegar na segunda trave e abrir o marcador.  As australaianas demoraram a igualar, e a seleção brasileira mostrava segurança na marcação.  Mas em uma bola parada o empate veio aos 37 minutos da etapa inicial.  Depois de uma cobrança pelo lado direito, Kerr apareceu livre no meio da grande área e mandou para as redes.

A virada australiana chegou aos 2 minutos do segundo tempo. Foord aproveitou o rebote depois de uma defesa impressionante de Dani, apareceu na segunda trave e mandou para as redes .  Novamente esbanjando um grande futebol, Kerr deixou sua marca de novo aos 21 da etapa complementar. Aos 41, Marta descontou para o Brasil em cobrança de pênalti e fechou o placar em 3 a 2 .

A Austrália mostrou mais uma vez a evolução que o futebol feminino no país tem garantido nos últimos anos. Um trabalho que demorou a ganhar corpo, foi metódico, consistente e sem desistências por um resultado ruim. O crescimento mais evidente vem desde a Copa do Mundo de 2015, quando eliminou justamente o Brasil nas oitavas. Nos Jogos Olímpicos, foi eliminada pela seleção brasileira, mas também seguiu com um firme trabalho e o mais importante: a longo prazo. A equipe tem força, qualidade na marcação e também boas soluções em jogadas ensaiadas como a aérea.  O Brasil pode igualmente chegar nesse nível consistente, mas é preciso seguir firme com o processo, que não ocorre do dia para noite. E as derrotas nesse processo não podem ser um entrave para barrar esse processo de evolução e sim para correção de falhas.

Globo Esporte