João Pessoa, 18 de maio de 2015 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
FENÔMENO

Ex-dirigente partidário compara Cartaxo a Toinho do Sopão

Comentários:
publicado em 18/05/2015 às 15h43
atualizado em 18/05/2015 às 12h49
A- A+
Djalvani da Fonseca: gestão de Cartaxo perdeu o rumo

Ex-presidente do PTN de João Pessoa, Djalvani da Fonseca lançou manifesto nesta segunda-feira (18) tratando o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, como fenômeno passageiro da política paraibana e até comparando o petista ao ex-deputado Toinho do Sopão, eleito com mais de 50 mil votos em 2010 e derrotado fragorosamente na reeleição.

“Luciano amargava a derradeira posição de intenção de voto para as eleições de 2012. Para chegar ao poder, recebeu do grupo  incalculada ajuda política e financeira para se eleger. O que se viu foi que logo após de eleito não honrou nada com aqueles que o ajudaram a levar ao poder. Hoje em dia muitos do que lá estão na administração municipal em nada participaram para o resultado que o levou a vitória”.

De costas para os os companheiros – Para fundamentar sua tese, ele citou o caso recente da saída do vereador Bruno Farias (PPS) da Secretaria de Turismo, o advogado petista Anselmo Castilho, afastado da Emlur, e do vice-prefeito Nonato Bandeira (PPS).

“Qual a participação na gestão de Nonato Bandeira como vice-prefeito, o articulador da coligação que levou Cartaxo à vitória”? , interroga.

Crítica à articulação – Djalvani, que é irmão do vereador Djanilson da Fonseca, criticou o desempenho do secretário de Articulação, Adalberto Fulgêncio (PT). “Este não tem a menor pratica de articulador, muito pelo contrário.

Gestão – “O que se enxerga hoje é uma máquina perdida, com pessoas que nada contribuíram para o resultado acachapante do último pleito. O PSB de Ricardo Coutinho fez muito bem em não aceitar participar da gestão que aí se encontra, pois foi o PSB deu identidade a nossa Prefeitura entregou o Paço Municipal e administrativo devidamente enxuto e sanado, de cofres cheios e todos os fornecedores em dia”, encerrou Fonseca.

MaisPB