João Pessoa, 17 de fevereiro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Poeta, escritor e professor da UFPB. Membro da Academia Paraibana de Letras. E-mail: hildebertobarbosa@bol.com.br

Outros carnavais

Comentários:
publicado em 17/02/2021 às 08h05
atualizado em 17/02/2021 às 05h06
A- A+

I

Quando o primeiro bloco

passar na rua,

marcarei o passo

num verso comovido.

Rasgarei a máscara

de antigos carnavais

e me lançarei no perfume

das marchas agitadas

do coração

em lugar de desfilar

pela avenida.

Brincarei nos três dias

meu sonho do ano inteiro

sem chorar na quarta-feira.

II

A folia que me assalta,

sem confete e serpentina,

dispensa o Zé Pereira

e a fantasia.

Dispensa o Pierrot e a Colombina,

o frevo e a festa,

o samba e o susto.

Dispensa tudo que é três dias.

Na solidão tecida,

a folia que me assalta

tem gosto de quarta-feira

É carnaval feito de cinzas.

III

Não fui rei

de outros carnavais,

mas guardei a coroa

de anônimo folião:

saudade alguma do que passou.

Fiz do batuque cardíaco

o trio-elétrico que me levou

à vida

em lugar de me perder na multidão.

Finalmente se estragou a fantasia.

e do samba que não fez escola

eis o enredo que restou.

(De A geometria da paixão, 1986)

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!