João Pessoa, 02 de abril de 2024 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista paraibano, sertanejo que migrou para a capital em 1975. Começou a carreira  no final da década de 70 escrevendo no Jornal O Norte, depois O Momento e Correio da Paraíba. Trabalha da redação de comunicação do TJPB e mantém uma coluna aos domingos no jornal A União. Vive cercado de livros, filmes e discos. É casado com a chef Francis Córdula e pai de Vítor. E-mail: [email protected]

Foge e ama, ama e foge

Comentários: 0
publicado em 02/04/2024 às 07h00
atualizado em 02/04/2024 às 05h02

Minha rota indicava para o sossego, numa viagem caseira rumo a Cabeledo para cumprir etapas do ProjetoK, quando olho de lado e não vejo mais o Motel Fogeama. Tudo foi ao chão, inclusive, tudo.  Só fui nesse lugar uma vez, no final da década de 70, quando era jovem, uma bala, mas nem tinha a grana toda pra pagar, rachei com a morena bela, que morava na rua João Câncio, na praia de Manaira – aliás, quem foi João Câncio?

Anos depois reencontrei a garota, cara a cara,  com outro cara, que era o cara e perguntei: Você sabe o que significa o monocultivo? Essa prática, longe dos ensinamentos do Kamasutra, (a bicicleta, o cachorro, a cascata) de uma demanda descontrolada? Pois é, no mundo, um grande amor perdi.

Vamos imaginar que o sexo deve ter e tem as vantagens do monocultivo, (tipo uma linda trepadeira) que faz com que as monoculturas cresçam exponencialmente, uma vez que a paixão é avassaladora, mas eu sempre penso que o amor é lindo e vai além do círculo vicioso do sexo. Se é amor mesmo, então, tudo vem dessa matéria prima chamada erotismo.

Rita Lee estava certa: nada melhor do que não fazer nada só pra deitar e rola você na tão consagrada história desse elo, na rua, na chuva, dentro do carro a cem por hora, mas eu nunca tiver parentes importantes, sequer carros – talvez uma lenda, em pequena escala urbana.

Mas o Fogeama morreu e com ele milhares de gemidos, que também crescia numa velocidade absolutamente insustentável, com o velho objetivo de “dar conta” dessa demanda chamada prazer.

Pilhas e pilhas de amores nascem e morrem, o sexo não, ele funciona devidamente embalados. Depois que o Papa Francisco disse que a relação sexual é um presente de Deus, aí pensei – os deuses estavam certos em tudo.

É impossível sustentar um beijo, sem não viabilizar ou espichar  esse prazer que é a própria vida nossa no planeta.

Adeus morena dos cabelos cacheados, que o Fogeama morreu à míngua.

Puxa vida! E eu só queria fazer um poema…

Kapetadas

1 – E eu que arrumei uma personal trainer e agora ela fica me chamando pra treinar.. meu Deus o que foi que eu fiz.
2 – O barulho da chuva em meio ao cheiro do café, humm, bora?

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

Leia Também