João Pessoa, 23 de junho de 2022 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista paraibano, sertanejo que migrou para a capital em 1975. Começou a carreira  no final da década de 70 escrevendo no Jornal O Norte, depois O Momento e Correio da Paraíba. Trabalha da redação de comunicação do TJPB e mantém uma coluna aos domingos no jornal A União. Vive cercado de livros, filmes e discos. É casado com a chef Francis Córdula e pai de Vítor. E-mail: [email protected]

Danuza, em cada um de nós

Comentários:
publicado em 23/06/2022 às 09h49
atualizado em 23/06/2022 às 10h19
A- A+

Danuza Leão está morta. Partiu ontem. Não preciso dizer que ela foi modelo, jornalista e escritora. Sequer que estava com 88 anos, já que se diz muito hoje, que ela podia ir bem mais. Quase 9 décadas. Nasceu no Espírito Santo, morreu no Rio e será cremada no cemitério do Caju, zona norte do Rio.

Danuza, com esse lindo nome,  esteve nas grandiosas festas que organizou e participou, até se tornar um guia desse glamour ao atuar como colunista de jornal e autora de livros.

Danuza era a tal. Escreveu para o jornal Folha de São Paulo por mais de uma década e marcou uma época, em tempo que segue, com seu olhar sobre estilo de vida.

Seus textos e crônicas, muitos provocativos e polêmicos, se tornaram assunto geral em inúmeros momentos brasileiros. Em, 2018, por exemplo, Danuza foi um tópico em alta no  Twitter ao publicar um texto no jornal O Globo questionando o que é o assédio e afirmando que “Toda mulher deveria ser assediada pelo menos três vezes por semana”. Estava certa, toda mulher é Leila Diniz, gosta de um olhar a mais, uma sedução que nasce com a própria mulher. Sem a mulher, não existiria os deliciosos momentos da vida.

Como escritora,  Danuza não tem fim. Entre suas principais obras estão os compilados de crônicas como “Na Sala com Danuza”, (este livro é revelador, magnífico) e livro sobre comportamento como “É Tudo Tão Simples”, mas não é tão simples assim. Que ela não escute.

Danuza publicou lá atrás, em 2005, uma espécie de autobiografia que virou  best-seller, o “Quase Tudo”. Eu li esses três livros e ainda os tenho guardados na estante, porque é a linguagem que estanca, que todo mundo gosta de saber e espalhar.

Danuza era diversão e arte, que atravessou todos os lugares, às palavras, num mesmo passo que vai a toda parte, retratando uns e outros em quantos lugares ela quis, deslocada em fronteiras, um coração cheio e vazio, dura na queda, a estender sua linha de fogo, a linha do tempo.

Era ela a própria frase, a fase, face a face, no rosto de cada um de nós.

 Kapetadas

1 – Tem dias que a câmera frontal olha pra gente e diz: hoje não.

2 – Chegou o inverno. Finalmente vai fazer calor.

3 – Som na caixa: “O Rio de Janeiro continua sendo”, Gilberto Gil

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Governador entrega mais de 100 ônibus para transporte escolar

EDUCAÇÃO - 01/07/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas