João Pessoa, 02 de junho de 2022 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Magistrado, colaborador do Diário de Pernambuco, leitor semiótico, vivendo num mundo de discos, livros e livre pensar. E-mail: adhailtonlacet123@gmail.com

Maio dos livros

Comentários:
publicado em 02/06/2022 às 08h03
A- A+

Maio tem destaque no calendário comercial por ser o mês que consagra a data dedicada ao dia das mães. Tem outros dias eleitos para reflexão de temas importantes, como o enfrentamento e combate a exploração sexual de crianças e adolescentes e o dia nacional da adoção.

Mas, aqui na capital paraibana, maio também teve seus dias dedicados à arte, mais especificamente a literatura. Foram editados muitos livros e, de logo, destaco apenas dez dos quais participei dos lançamentos.

São livros de poemas, contos, novelas, romances e história, de autores paraibanos ou aqui  radicados, a exemplo de Luiz Augusto Paiva e Débora Rosa (cariocas) e Larissa Rodrigues que veio do Rio Grande do Norte ou o poeta Gilmar Leite Ferreira pernambucano que escolheu viver e trabalhar em terras tabajarinas. Todos os livros em seu formato tradicional, com capas criativas e bem impressos. Mais uma prova de que o livro físico não caminha para a extinção – a exemplo de muitos jornais que silenciaram as rotativas -, em plena era digital.

Pela editora baiana Mondrongo foram lançados “A flor azul do rio Gramame” novela do jornalista e escritor José Nunes; “O dia em que choveu violeta” romance de Débora Rosa;  O professor e escritor Luiz Augusto Paiva vem com o livro de contos “37 não é febre (a dor de cotovelo, o chifre e outras coisas)” narrativas inspiradas em músicas de Lupicinío Rodrigues; o romance “O que as mulheres carregam nas bolsas” de Larissa Rodrigues e o livro “Dueto de manhãs”, com haicais do poeta campinense José Edmilson Rodrigues.

As outras obras são frutos de uma iniciativa da União Brasileira de Escritores, secção da Paraíba, presidida pelo escritor Luiz Augusto Paiva que em parceria com a Prefeitura Municipal de João Pessoa, lançou edital com o concurso “A Arte da Escrita” projeto que selecionou para publicação cinco livros e que foram impressos pela Sal da Terra, editora sediada na capital paraibana.

Os vencedores foram “La bodeguita”, romance de Tarcísio Pereira; “Ponteio” poemas de Marineuma de Oliveira; “O caderno perdido de René Thiollier” um misto de ficção e ensaio de Bruno Gaudêncio; “No reino da Parahyba – A história de João Suassuna nas terras luminosas do sertão”, relatos históricos de 1930 com personagens da vida política paraibana, e por fim “Delicadezas de um coração”, coletânea de poemas de Gilmar Leite Ferreira.

Para quem gosta de ler e ama os livros, este mês de maio de 2022 trouxe fartura  para nossas estantes, com obras de indiscutível valor e nos mais variados gêneros literários. Evoé, autores paraibanos!

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Prefeito detalha vocações que destacam Taperoá na Paraíba

vídeo - 23/06/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas