João Pessoa, 16 de dezembro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Magistrado, colaborador do Diário de Pernambuco, leitor semiótico, vivendo num mundo de discos, livros e livre pensar. E-mail: adhailtonlacet123@gmail.com

Infância, cajus e literatura

Comentários:
publicado em 16/12/2021 às 07h10
A- A+

Desde criança bebo suco da polpa e como a castanha do caju, fruta que tem escasseado nas feiras de nossa capital. Lembro que ao longo da estrada que dá acesso à cidade portuária de Cabedelo, suas margens eram repletas de cajueiros e no período da safra a molecada acorria aos seus galhos para a colheita do saboroso fruto. O que aconteceu? Por que sumiram os cajueiros? Talvez a expansão imobiliária tenha contribuído para o seu desaparecimento.

Na casa onde passei toda a infância e a adolescência tinha um pé de caju, além de bananeiras e mangueira, coisa comum nas casas que tinham quintal. Hoje, continuo morando em casa com jardim e estou decidido a plantar um cajueiro, mesmo contrariando a vontade de minha esposa, que prefere roseiras e plantas ornamentais. E não há como falar de infância e cajus sem lembrar de um excelente livro de crônicas do jornalista e escritor de Serraria José Nunes, intitulado justamente de “O cajueiro e os cronistas”, onde na crônica do mesmo nome se refere ao hoje esquecido escritor Humberto de Campos (1886-1934), que no livro “Memórias” dedica o capítulo XXXII a seu melhor amigo de infância: o cajueiro por ele plantado numa casa dos Campos, em Parnaíba, no ano de 1896.

O paraibano Nunes nos lembra que “A literatura tem a fragrância de caju, a começar pelo período colonial quando encontramos Frei Vicente, Gabriel Soares e Frei Francisco de São Carlos descrevendo os cajueiros”, e o maranhense Campos relembra que “Aos treze anos da minha idade, e três da sua, separamo-nos, o meu cajueiro e eu. Embarco para o Maranhão, e ele fica”. Soube que os poucos cajus ainda expostos à venda aqui em João Pessoa vêm do vizinho estado do Ceará, onde se fabrica o saboroso refrigerante cajuína, também encontrado no Piauí. Mais do que qualquer outro sabor, é o do caju que me remete à infância de tantos bons momentos.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Campina Grande terá o segundo maior hospital do Nordeste

- 20/05/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas