João Pessoa, 24 de setembro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
tragédia da aviação

PF prende controladora de voo do caso Chapecoense

Comentários:
publicado em 24/09/2021 às 07h55
A- A+
Destroços do avião após queda na Colômbia - Foto: Raul Arboleda/AFP

A Polícia Federal prendeu em Corumbá, Mato Grosso do Sul, a boliviana Celia Castedo Monasterio. Ela trabalhou no plano de voo do avião que caiu ao transportar o elenco da Chapecoense à Colômbia, em novembro de 2016, matando 71 pessoas.

Do total de mortos, vinte eram jornalistas brasileiros, nove dirigentes, incluindo o presidente do clube, dois convidados, quatorze da comissão técnica, incluindo o treinador e o médico da equipe, dezenove jogadores e sete tripulantes. Sobreviveram quatro passageiros e dois tripulantes. Pelo número de vítimas, a tragédia é a maior da história com uma delegação esportiva e a maior do jornalismo brasileiro.

Segundo informações da Folha de São Paulo, a ex-funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares de Navegação Aérea da Bolívia (Aasana) permanecerá, por ora, sob custódia da PF. Ela aguarda os trâmites legais para que seja entregue às autoridades bolivianas.

A prisão foi autorizada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, que determinou a extradição. Ele apontou que a mulher é “procurada pela Justiça boliviana para responder pela suposta prática do crime de atentado contra a segurança do espaço aéreo”.

Caso

Celia Castedo era responsável pela análise e pela aprovação do plano de voo e refugiou-se no Brasil desde 2016. Acusada de não observar procedimentos mínimos para o trajeto da aeronave da companhia boliviana LaMia, ela se dizia perseguida na Bolívia após entrevistas concedidas sobre o acidente.

Na ocasião, a controladora afirmou ter alertado o representante da empresa de que a quantidade de combustível seria insuficiente no caso de uma emergência. Segundo ela, o tempo de voo era igual à autonomia do veículo, o que é inadequado.

O avião acabou caindo quando se aproximava do aeroporto de Rionegro, nos arredores de Medellín. A equipe da Chapecoense atuaria na Colômbia contra o Nacional, pela decisão da Copa Sul-Americana. O adversário, então, cedeu-lhe o título da competição.

MaisPB

MaisTV

Prioridade é eleger Aguinaldo para o Senado, diz Ciro Nogueira

VÍDEO - 20/10/2021

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas