João Pessoa, 22 de outubro de 2020 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração e atual presidente da Academia Paraibana de Ciência da Administração. E-mail: admmariotourinho@gmail.com

O aplauso de grupos da melhor idade ao transporte coletivo

Comentários:
publicado em 22/10/2020 às 12h11
A- A+

Diferentemente do que candidatos a prefeito, durante a presente campanha eleitoral, falam (de mal) sobre o transporte coletivo urbano, alguns até desinformadamente dizendo “vamos acabar com o monopólio”, vários grupos da “melhor idade” aplaudem-no em razão das ações de responsabilidade social que as respectivas empresas desenvolvem ao longo de muitos anos.

Antes, porém, de enfatizar uma recente manifestação de reconhecimento (de carinho mesmo!) que recentemente ocorreu por parte de grupos da “melhor idade” para com um dos empresários do setor de transporte coletivo urbano de João Pessoa, devo esclarecer o porquê acima ter dito que “desinformadamente” alguns candidatos a prefeito falam “vamos acabar com o monopólio”. Sabemos todos que, no caso do transporte coletivo, o exclusivo “monopolista” é a própria Prefeitura, porquanto é ela, só ela, que define as linhas, seus percursos, horários, quantidade de ônibus, tarifa a ser cobrada etc. Com tais definições, a Prefeitura faz a licitação – como fez – para que empresas privadas prestem os serviços, no caso de João Pessoa, portanto, cabendo, atualmente, às empresas Boa Viagem, Mandacaruense, Marcos da Silva, Reunidas, São Jorge e Transnacional – seis, no total, que, para racionalidade operacional, atuam sob a estrutura de dois Consórcios: Navegantes e Unitrans.

Pois, bem! É tão intenso o reconhecimento de grupos da “melhor idade” às ações de responsabilidade social desenvolvidas pelas empresas do transporte coletivo urbano de João Pessoa que não houve ponderação alguma que evitasse a iniciativa e efetivação de uma homenagem que tais grupos fizeram questão de pessoalmente prestar ao empresário Alberto Pereira Nascimento (da empresa Transnacional), e à sua respectiva esposa (dona Gisélia, mais conhecida como Gisa) pela passagem do aniversário natalício de ambos. Aconteceu em um dos auditórios da Estação Ciência, claro que obedecendo a todos os protocolos de prevenção à covid-19, principalmente uso de máscaras e com o devido distanciamento social.

A coordenadora geral do evento, dona Graça, expressou que ficaram sem saber que “presente” lhes dar aos homenageados. E o senhor Alberto antecipou-se dizendo: “Não há presente melhor nem maior do que esta presença e manifestação de vocês!”. Porém, o presente escolhido pelos grupos da “melhor idade”, em comissão, adentrou ao recinto: – a imagem de Nossa Senhora de Fátima, sob aplausos e entoação da canção que diz “Nossa Senhora me dê a mão/ Cuida do meu coração!”. E o aplauso mais se intensificou quando, recebendo a imagem de Nossa Senhora, o senhor Alberto, emocionadamente, a reverenciou, beijando-a!

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!