João Pessoa, 18 de fevereiro de 2020 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
nesta terça

“Ela queria dar o furo”, diz Bolsonaro sobre repórter

Comentários:
publicado em 18/02/2020 às 11h39
atualizado em 18/02/2020 às 15h00
A- A+
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) insultou, na manhã desta terça-feira (18), a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de São Paulo, ao deixar o Palácio da Alvorada em Brasília.

Ao lado de simpatizantes e de alguns repórteres, o presidente disse que “ela [Patrícia] queria um furo, queria dar o furo a qualquer preço” contra ele. No momento que encerrou a fala, Bolsonaro deu risadas com os demais presentes.

A Folha de São Paulo divulgou a transcrição do que foi dito por Bolsonaro, confira:

“Olha a jornalista da Folha de S.Paulo. Tem mais um vídeo dela aí. Não vou falar aqui porque tem senhoras aqui do lado. Ela falando: ‘Eu sou (…) do PT’, certo? O depoimento do Hans River, foi final de 2018 para o Ministério Público, ele diz do assédio da jornalista em cima dele”, diz o presidente, para em seguida, aos risos, fazer o insulto com insinuação sexual.

“Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]. Lá em 2018 ele [Hans] já dizia que ele chegava e ia perguntando: ‘O Bolsonaro pagou pra você divulgar pelo Whatsapp informações?’ E outra, se você fez fake news contra o PT, menos com menos dá mais na matemática, se eu for mentir contra o PT, eu tô falando bem, porque o PT só fez besteira.”

“Tem um povo aqui em referência a um grupo de simpatizantes], alguém recebeu no zap uma matéria qualquer que suspeitou pra prejudicar o PT e me beneficiar? Ninguém recebeu nada. Não tem materialidade, zero, zero zero. Você não precisa mentir pra falar sobre o PT, os caras arrebentaram com Petrobras, fundo de pensões, BNDES…”

Folha repudiou, por meio de nota, a fala de Bolsonaro. “O presidente da República agride a repórter Patrícia Campos Mello e todo o jornalismo profissional com a sua atitude. Vilipendia também a dignidade, a honra e o decoro que a lei exige do exercício da Presidência”.

MaisPB