João Pessoa, 16 de janeiro de 2020 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
são josé de piranhas

Plano pode gerar R$1 mi por ano em empregos

Comentários:
publicado em 16/01/2020 às 17h11
A- A+

Representantes da prefeitura de São José de Piranhas participaram, na última terça-feira (14), na Câmara Municipal do município, de uma Audiência Pública para elaboração do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – PGIRS do Município.

A audiência teve um debate entre autoridades municipais, especialista responsável pela implantação do projeto, representantes de organizações não governamentais e de classes, catadores de materiais recicláveis e sociedade civil.

O economista Tarcísio Valério da Costa, que faz parte da equipe do Grupo Especializado em Tecnologia e Extensão Comunitária – GETEC e da UFPB/Prac, esteve presente. Ele explicou sobre as etapas do projeto e vai coordenar os estudos e planejamento para colaborar a construção do Plano, a convite da Prefeitura Municipal.

Durante sua explanação, Valério lembrou que o Plano visa atender a Lei 12.305/2010 que Instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, o PGIRS, que é uma das exigências para os municípios terem acesso aos recursos federais na gestão dos resíduos, bem como não sofrerem penalidades pelos órgãos ambientais, Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado-PB.

Diferença de lixo e resíduos

O especialista explicou a diferença entre lixo e resíduos e ressaltou que a partir desse Plano o Município pode beneficiar centenas de catadores com o trabalho de reciclagem dos resíduos sólidos.

“Só para vocês terem uma ideia o município de São José de Piranhas poderá gerar R$ 90 mil por mês, com o incentivo da política de geração de emprego e renda dos resíduos sólidos”, afirmou.

O prefeito Chico Mendes destacou os esforços da gestão municipal para elaboração do Plano, entendendo que este constitui um instrumento importante para planejar ações e medidas que venham resolver o problema do destino correto do lixo da cidade, através de parcerias e consócio.

Ele lembrou que além disso, a implantação da coleta seletiva vai gerar renda e trabalho para os catadores através da criação de uma associação ou cooperativa, com total apoio do corpo administrativo da Prefeitura Municipal.

O presidente da Câmara Municipal, Celso Gonçalves, destacou a importância do projeto para o Município por se tratar de uma questão ligada ao meio ambiente, desenvolvimento sustentável e economia ao mesmo tempo, porque vai gerar renda e trabalho. “O mundo inteiro já trabalha com essa visão e nós não poderíamos deixar de fazer nossa parte”, ressaltou.

Ao fazer uso da palavra, o secretário de Administração do Município, Tiago Vieira Sobral, falou de sua alegria em poder contribuir com a realização de políticas públicas voltadas para o futuro e disse acreditar nesse projeto, que também faz parte da construção de uma nova São José de Piranhas.

De acordo com a coordenação, o prazo de realização do Plano está estipulado de quatro meses.

MaisPB

MaisTV

Carreta tomba em curva na Serra de Santa Luzia no Sertão

vídeo - 17/09/2021

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas