João Pessoa, 17 de outubro de 2019 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
decisão

TJPB condena ex-gerente da FAP

Comentários:
publicado em 17/10/2019 às 15h35
atualizado em 17/10/2019 às 15h43
A- A+
Tribunal de Justiça da Paraíba (Foto: divulgação/TJPB)

A ex-gerente financeira da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP), Nilcéia Dantas Diniz, foi condenada a uma pena de 3 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão pelo crime de apropriação indébita de R$278.139,04 da instituição. A decisão foi dada nesta quinta-feira (17) por membros da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba.

A sanção foi substituída por duas restritivas de direitos, consistentes em prestação de serviços à comunidade e multa, no valor de três salários mínimos.  O relator da Apelação Criminal nº 0027405-33.2013.815.0011 foi o juiz convocado Miguel de Britto Lyra Filho.

Conforme os autos, o órgão ministerial denunciou Nicéia Diniz com base no artigo 168, § 1º, III, combinado com o artigo 71, e artigo 347, parágrafo único, ambos combinado com o artigo 69, todos do Código Penal. No 1º Grau, a denúncia contra a acusada foi julgada improcedente, ao que o MP recorreu da sentença, alegando que a absolvição é incompatível com as provas trazidas aos autos.

A mulher é suspeita de acusada do crime de apropriação indébita majorada, em relação ao dinheiro apurado no setor de telemarketing da FAP; da apropriação indébita majorada das despesas hospitalares de uma paciente; e apropriação indevida de valores referentes à venda de resíduos sólidos recicláveis da entidade; dentre outros.

No voto, o juiz-relator ressaltou que merece acolhimento o pleito quanto a configuração do crime de apropriação indébita majorada na forma continuada, em relação a doações arrecadadas pelo setor de telemarketing, haja vista a existência de prova farta e segura a respeito da prática delitiva da denunciada.

“Os elementos de prova colacionados aos autos não deixam dúvida acerca da materialidade do crime de apropriação indébita e da conduta da acusada de – na função de gerente financeira da Fundação Assistencial da Paraíba – receber dinheiro, em espécie, oriundo de doações arrecadadas do setor de telemarketing, sendo que, em vez de direcionar tais recursos para os cofres da citada instituição, terminava por apropriar-se de parte destes valores, causando claro prejuízo a esta”, enfatizou o relator.

Ainda segundo o magistrado, relatório contábil confrontando os valores depositados na conta da FAP e aqueles arrecadados no setor de telemarketing da entidade, verificou que se deixou de depositar e registrar, na contabilidade da FAP, a quantia de R$ 278.139,04.

Quanto à conduta relacionada às despesas hospitalares, o juiz Miguel de Britto afirmou que o crime restou configurado, na medida em que os custos com a cirurgia realizada em uma paciente, que deveriam reverter aos cofres da FAP, foram direcionados, pessoalmente, à apelada, a qual se apropriou da quantia.

Já no tocante à venda de resíduos sólidos recicláveis da entidade, o relator assegurou que a gerente financeira recebia, de fato, valores advindos da negociação, sem, contudo, depositá-los em conta da FAP, em clara configuração do crime a ela atribuído.

MaisPB