João Pessoa, 18 de junho de 2019 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Conselho de Ética

Deputado critica Estela: ‘Nem na sessão vem’

Comentários:
publicado em 18/06/2019 às 11h12
atualizado em 18/06/2019 às 16h30
Cabo Gilberto em entrevista a MaisTV, canal de vídeos do MaisPB - Foto: Reprodução

O deputado estadual Cabo Gilberto (PSL) abriu a artilharia, nesta terça-feira (18), contra a deputada estadual Estela Bezerra (PSB), que o representou no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) por “agressões caluniosas”.

Para o Cabo, Estela sequer comparece à Assembleia e não teria autoridade para denunciar qualquer deputado.

“Ela não tem a mínima autoridade para acionar qualquer deputado no Conselho de Ética. Pega a frequência dessa deputada e pega a minha. Não faltei uma sessão. Nem na sessão ela vem. Quem não lembra de 2015, quando o presidente do Congresso nacional veio aqui e ela com sua militância quebrou a Casa legislativa. Ela respondeu ao Conselho de Ética? Não respondeu”, bradou.

O documento apresentado por Estela nessa segunda-feira (17), requer a abertura de um inquérito ou sindicância para apurar a conduta dos parlamentares. Segundo o texto, Cabo Gilberto e Eduardo Carneiro (PRTB) desvirtuaram o objetivo de uma sessão para criar um ‘evento político’, onde teria havido calúnia, injúria e difamação contra a socialista.

Ainda conforme a representação, eles permitiram a fala de uma pessoa que não tinha relação com o tema proposta na sessão, que abordou a violência no trânsito e a criação de políticas públicas para a redução das mortes. A convidada, advogada Laura Berquó, teria atacado a honra de Estela e os deputados agiram de forma ‘omissa’, segundo o texto.

Entenda

Em maio, Estela já havia dito que entraria com representação contra o deputado estadual Eduardo Carneiro. Segundo ela, durante a sessão que debatia o ‘Maio Amarelo’, a advogada teria utilizado a tribuna para fazer ataques à socialista, ao ex-governador Ricardo Coutinho e ao deputado Doda de Tião.

Na época, a deputada criticou a permissão de Carneiro. “É inadmissível que o denuncismo, a calúnia e a difamação virem rotina e estratégia de visibilidade dentro da AL, espaço que deveria combatê-los”,  disse em nota.

Carneiro rebateu e afirmou que ao ser surpreendido pelo conteúdo exposto por uma advogada que se inscreveu, orientou que a transmissão da TV Assembleia fosse interrompida imediatamente e que as notas taquigráficas da sessão não contivessem a sua fala, decisões tomadas em comum acordo com os funcionários da Casa e com a Secretaria da Mesa.

Veja o vídeo:

MaisPB

Certificado digital mais barato para advogados e contadores Clique e saiba como adquirir

Leia Também