João Pessoa, 22 de fevereiro de 2016 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 1995 pela UFPB, com pós-graduação em Jornalismo Cultural. Radialista, marido de Gi, pai de Theo e editor setorial no jornal Correio da Paraíba. Torcedor do Flamengo e ex-professor do curso de Jornalismo na FFM. Já trabalhou, também, nos jornais A União e O Norte, no portal Tambaú 247, além das rádios Cabo Branco FM, Jovem Pan AM e CBN, sendo freelancer dos jornais O Globo e Estado de S.Paulo. Contato com a Coluna: jamarrinogueira@gmail.com

Cultura de Rouanet…

Comentários:
publicado em 22/02/2016 às 14h16
A- A+

O episódio cultural da semana foi a autobiografia abortada de Cláudia Leitte. O projeto chamado ‘Livro Claudia Leitte’ foi aprovado para captar R$ 355,9 mil por intermédio da Lei Rouanet.

O projeto previa a tiragem de 2 mil exemplares de um livro contendo uma entrevista exclusiva da cantora, fotos, letras e partituras da artista, com versões em inglês e português. Previa!!! Porque não vai ter mais livro nenhum…

A notícia sobre a autobiografia rendeu tanta polêmica nas redes sociais que a produtora da cantora resolveu abandonar o projeto (uma maneira de atenuar a imagem negativa gerada na Internet).

Mas, Claudia Leitte não é bem um problema. Eu, particularmente, não gosto nadinha do que ela canta. Isso, todavia, não tem relação alguma com a reprovação do projeto da cantora (que rivaliza com Ivete Sangalo).

Problema mesmo é como a Lei Rouanet é executada. Assim como Cláudia Leitte, muitos outros artistas populares (com talento ou não, mas com viabilidade financeira evidente) foram beneficiados equivocadamente pela legislação.

Maria Bethânia, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa já foram beneficiados pela Lei Rouanet. Não deveriam ter sido. A lei nada mais é que uma forma de isenção fiscal (pessoa jurídica 6% e física 4%) para aqueles que “incentivam a cultura”.

Imagino a Lei Rouanet ajudando projetos culturais de artistas de rua, projetos culturais que levem à inclusão social, projetos culturais que não estejam atrelados à indústria cultural e aos interesses dos meios de comunicação de massa.

Repetindo: Cláudia Leitte, tadinha, não representa problema algum. A Lei Rouanet é que precisa ser revista, para que esteja a serviço do fomento daquela produção cultural que tem extrema dificuldade de chegar ao grande público.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!