João Pessoa, 04 de agosto de 2022 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Magistrado, colaborador do Diário de Pernambuco, leitor semiótico, vivendo num mundo de discos, livros e livre pensar. E-mail: [email protected]

A casa com seus livros

Comentários:
publicado em 04/08/2022 às 07h00
atualizado em 03/08/2022 às 20h16

Muito cedo adquiri o hábito da leitura. Ainda adolescente queria ler todos os clássicos e fiz muitas leituras desordenadas, sem critério nem orientação. Mais tarde, descobri a importância da releitura. Venho de uma época em que ainda não tinha internet nem outros avanços da comunicação digital, certamente isso fez do livro meu companheiro constante e fonte perene de informação, lazer e conhecimento.

Queria os livros cada vez mais perto de mim, formando paulatinamente uma biblioteca. Comecei trabalhar aos 13 anos de idade, e com parte do salário adquiria livros e tornei-me frequentador assíduo das Livraria do Luiz e Livraria São Paulo, esta última já extinta. A autonomia financeira me permitia comprar os exemplares que queria, sem necessidade de tomar emprestado a amigos ou bibliotecas. Aliás, o adagio popular ensina que no universo dos livros existem dois tolos: o tolo que empresta e o tolo que devolve. Depois de muitas perdas, hoje não empresto livro, prefiro presentear. Editores dizem que livro é o melhor presente.

Muita emoção senti quando umas dez crianças vieram ter em minha casa, a convite de minha filha Sofia, e ao se depararem com a biblioteca pularam e gritaram: “olha, aqui tem uma livraria!”. Não é de estranhar a surpresa dos pequeninos, talvez fosse a primeira vez diante  de algumas estantes repletas de livros dentro de uma casa. A verticalização das moradias e a diminuição de seus espaços somados ao fato da perda do hábito da leitura, fez as pessoas preferirem a televisão ou o smartphone  ao livro.

Ultimamente tenho agido – na medida do possível – como agiu Erasmo de Roterdã  (foto)(1466-1536): “Quando tenho algum dinheiro, compro livros. Se ainda me sobrar algum, compro roupas e comida”. Não temo as traças nem a viúva, pois já pedi à minha esposa que quando eu morrer, não acabe minha biblioteca, vendendo-a por preço vil em um sebo qualquer. Se nenhum filho quiser herdá-la, que seja doada a uma universidade. Esse seria o posfácio da minha história.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Brasil vence a primeira na Copa do Mundo Sub-20 de futebol feminino

contra Austrália - 14/08/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas