João Pessoa, 24 de novembro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Poeta, escritor e professor da UFPB. Membro da Academia Paraibana de Letras. E-mail: hildebertopoesia@gmail.com

“Criança também é gente”

Comentários:
publicado em 24/11/2021 às 07h14
A- A+

Se é verdade que criança também é gente, conforme título de livro da psicóloga Léa Lerner, é verdade, não menos, que as noções de inocência e anjelicalidade nem sempre se conformam à natureza dos tipinhos, sobretudo de certos tipinhos, azedos e insuportáveis.

Sigmund Freud percebeu bem que, mesclada à inocência das crianças, existe a crueldade, fenômeno não somente comprovado pela irrefutável aspereza do real, como também pelo insólito calor das fantasias literárias.

No primeiro caso, todo adulto que não é hipócrita (existe mesmo este adulto?) viveu ou vive experiências negativas, constrangedoras, desconfortáveis, irritantes com a caterva variegada da arráia miúda, quer sejam os filhos, os sobrinhos, os netos, quer sejam os meros amiguinhos, filhos de seus amigos e amigas, representantes típicos da fauna dos mal-educados, dos dissimulados, dos perversos, dos idiotas, dos traquinas, dos palhaços, dos sujismundos etc.

No segundo caso, lembro, desde já, do elenco de maldades de que “Serginho”, personagem de O Ateneu, de Raul Pompéia, como também poderia exemplificar esses ingredientes característicos do ser humano com os romances Menino de engenho, de José Lins do Rêgo; Batismo de fogo, de Vargas Llosa, e O jovem Torless, de Robert Musil, cada um, em sua vertente e estilo peculiares, expondo as vísceras malignas da personalidade infantil.

Hobbes, mais realista que Rousseau (que considera o ser humano naturalmente bom, muito embora degradado e corrompido pela sociedade), defende a ideia de que o homem é naturalmente mau, podendo a sociedade, dependendo de sua organização e objetivos sociais e políticos, torná-lo apenas menos pior. E nesta contenda doutrinária, estou com Hobbes, pois a existência que, segundo Sartre, precede a essência, tem me demonstrado exatamente isto.

Pensando assim, não quero dizer que a criança seja má de toda, nem muito menos que seja um adulto em miniatura, como pensavam antigos e medievais. Apenas não desejo camuflar farisaicamente uma realidade notória e indiscutível, isto é: se a criança é um ser humano como outro qualquer, portanto frágil, desprotegido, precário, posto que possua algumas virtudes, é também violenta, arrogante, autoritária. Diria mesmo que, em certas circunstâncias não tão incomuns, a criança é nosso pequenino tirano ou o reizinho do mais absoluto despotismo.

Quem discordar, que me atire a primeira pedra!

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Clientes aproveitam descontos da Black Friday em João Pessoa

Promoções - 26/11/2021

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas