João Pessoa, 27 de fevereiro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração e atual presidente da Academia Paraibana de Ciência da Administração. E-mail: admmariotourinho@gmail.com

Chuvas… alagamentos… (infra)estrutura das cidades (I)

Comentários:
publicado em 27/02/2021 às 11h46
A- A+

Entre estas quinta e sexta feiras, 25 e 26 de fevereiro, houve muita chuva pela Paraíba inteira, mas, pelo que as imagens mostraram, parece que as repercussões maiores em termos de alagamentos e até “estouros” de estruturas físicas urbanas, deram-se no âmbito da cidade de João Pessoa, isto, também, em função de sua própria alta densidade demográfica.

“Por conta da densidade demográfica?!… Como assim, se há tantas outras cidades com densidade demográfica maior?!…” – questionarão alguns. E têm razão: a densidade demográfica, por si só, não contribui para essas situações de alagamentos e “estouros” de equipamentos urbanísticos, não! Entretanto, não deixa de ser um elemento muito importante se a(s) cidade(s) não estiver(em) bem estruturada(s) urbanisticamente e sobretudo sem permitir que invasões e mais invasões de áreas ocorram com consequente construção de residências em locais não estruturados para tal.

Um pouco antes de elaborar estes escritos eu falara, por telefone, com o titular da Seplan-JP, José Williams Montenegro, a respeito de uma reunião  realizada dia 5 deste mês com o “Grupo Pró-Bessa” em que ele – o secretário – participara como acompanhante do prefeito Cícero Lucena. E percebi, em função de outras conversações do secretário durante o telefonema, o quanto de sua preocupação por decorrência da avalanche de chuvas que caía na cidade, ele fazendo recomendações de providências sobre o assunto. Estou convicto, portanto, do comprometimento da Gestão Cícero Lucena, com toda sua equipe de auxiliares, em fazer, mesmo, de João Pessoa uma cidade propiciadora de qualidade de vida, correspondendo, pois, ao lema de “Cidade que cuida”… cidade com muito cuidado para com seu povo!

Como antes já  sinalizado, realmente há muitas cidades com densidade demográfica bem maior que a de João Pessoa, sendo que o mais marcante exemplo é a de São João do Meriti, no estado do Rio de Janeiro. Lá, conhecida como “o formigueiro das Américas”, a densidade demográfica está em 13.024 habitantes por quilômetro quadrado, mais que três vezes a de João Pessoa (3.892 hab/km2).

Meu pensar é o de que essa desejada qualidade de vida, não  só para João Pessoa, mas para a Paraíba por inteira, só é conquistável se formos capazes de interiorizar o desenvolvimento. E essa interiorização do desenvolvimento não se consegue só com as políticas públicas e obras governamentais até hoje prevalecentes. Este meu pensar, porém, detalharei na segunda parte deste texto.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!