João Pessoa, 22 de junho de 2020 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
rede mais

Reveja a entrevista de Ciro Gomes ao Hora H

Comentários:
publicado em 22/06/2020 às 18h49
atualizado em 23/06/2020 às 07h18
A- A+

O ex-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, disse, nesta segunda-feira (22), em entrevista ao Hora H, da Rede Mais de Rádio, que ainda não há clima para o impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro.

O ex-governador do Ceará, contudo, aposta que em setembro, o cenário será diferente em decorrência da a crise da pandemia do novo coronavírus, com efeitos na economia, que, segundo ele, se agravará.

“O impeachment é um julgamento político. Não há ambiente nesse momento para que esse julgamento aconteça, porque lá para baixo, do sul Bolsonaro ainda tem 30% do povo brasileiro apoiando ele, e nós temos que ter humildade para respeitar porque são irmãos patriotas nosso. A gente diverge deles, dizemos que eles estão complementarmente errados, mas precisamos convencer humildemente essas pessoas sem o quer Bolsonaro vai poder comprar um terço dos deputados na Câmara como já começou a fazer com a tal história do Centrão, e o impeachment não acontece. Acho que isso está amadurecido lá por volta de setembro, quando essa tragédia de saúde pública e econômica revelar ao povo brasileiro que temos um criminoso na presidência da República e que a democracia tem de se proteger por esses caminhos”, disse.

Ciro Gomes e o PDT são autores de um dos mais de 20 pedidos de impeachment contra Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados. O pedetista ressaltou que, o impeachment “não é remédio para governo ruim que a gente não gosta”, mas “uma pena para punição para crime de responsabilidade”.

“E ele tem um aspecto jurídico que precisa ser provado e na petição a prova é robusta, não há duvida, ele comete crime quando se confraterniza com gente que está pedindo fechamento do Congresso, do Supremo, a volta do AI-5, que significa tortura, isso está escrito na lei, é crime. Quando ele expõe a população ao genocídio ele também está cometendo o crime e quando ele avança sobre as instituições da República, Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Procuradoria-Geral da República também é crime de obstrução de justiça”, afirmou.

Ouça, abaixo, a entrevista completa:

MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!