João Pessoa, 11 de setembro de 2019 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
educação

UFPB promove Olimpíada de Linguística

Comentários:
publicado em 11/09/2019 às 13h51
atualizado em 11/09/2019 às 13h53

A Olimpíada Brasileira de Linguística (OBL) será promovida pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus em João Pessoa, a partir desta quarta-feira (11). Este é o segundo ano consecutivo em que a UFPB é polo aplicador e corretor da competição, que é realizada em quatro fases (online, em papel, presencial e internacional) e envolve duas categorias de participantes (ensino médio e aberto).

De acordo com o professor doutor em linguística Márcio Leitão, embaixador da OBL na Paraíba, o evento visa instigar seus participantes a ampliar suas habilidades lógico-analíticas e sua visão sobre os povos do mundo a partir de uma abordagem interdisciplinar. “Todos os anos, a olimpíada envolve participantes de diferentes regiões e culturas dentro do nosso país, em torno de temas envolvendo línguas, linguagem, códigos, cultura e cognição humana. A cada ano, a olimpíada brasileira recebe uma nova ênfase e um novo nome: já foi Kytã, Noke Vana, Paraplü, Vina, Òkun, Ñanduti, Mărgele, Yora”, e agora, em homenagem as línguas indígenas o nome é Ye’pâ-masa, explicou Márcio Leitão.

Origem – A Olimpíada de Lingüística teve início na década de 1960 na Rússia, inspirada nas olimpíadas de matemática. Lingüistas como Alfred Jurinski e Andrei Zalizniak formularam pela primeira vez o conceito de problemas autossuficientes de linguística. A primeira edição da Olimpíada de Linguística de Moscou aconteceu em 1965. Nas duas décadas posteriores, outros linguístas decidiram criar modelos parecidos em outras partes do planeta: na Bulgária (1984), no estado norte-americano do Oregon (1988), na cidade russa de São Petersburgo (1995), na cidade holandesa de Leiden (2001), etc.

Em 2003, russos e búlgaros organizaram a primeira Olimpíada Internacional de Linguística, contando também com a participação de quatro outros países: Holanda, Letônia, Estônia e República Tcheca. Desde então, a ideia seguiu se espalhando: hoje existem olimpíadas nacionais de linguística em cerca de 40 países. A primeira edição da Olimpíada Brasileira de Linguística aconteceu em 2011 e em todos os anos envolve participantes de diferentes regiões e culturas dentro no país.

Paraíba – Para introduzir a Olimpíada Brasileira de Linguística na UFPB, foi criado um projeto de extensão que atua no mapeamento dos conhecimentos lingüísticos envolvidos na resolução dos problemas, analisando as dificuldades dos alunos para chegar a resolução dos problemas. O projeto não só permite que os alunos interessados tenham contato com a OBL, mas também possibilitando fomentar o estudo e o interesse pelo conhecimento linguístico para além das disciplinas da graduação.

“Além disso, os alunos da graduação envolvidos terão contato com a realidade de escolas do ensino médio. A inserção dessa nova metodologia traz experiência pedagógica para os graduandos, como também leva a professores e alunos das escolas parceiras, conhecimento sobre linguística que está fora dos currículos do ensino médio, o que tem o potencial de impactar globalmente na aprendizagem desses alunos”, destacou o professor Márcio Leitão, destacando que mais informações sobre a Olimpíada Brasileira de Linguística, a exemplo das datas das próximas fases, podem ser acessadas no site oficial do evento – http://www.obling.org/.

MaisPB

Certificado digital mais barato para advogados e contadores Clique e saiba como adquirir

Leia Também