João Pessoa, 02 de março de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A terceirização do Centro de Convenções e da Estação Ciência

Comentários:
publicado em 02/03/2017 às 10h07
atualizado em 02/03/2017 às 10h28

No poder público, equipamento traz mais prejuízo do que lucro, avalia secretário de Turismo de João Pessoa

A tese é do secretário de Turismo de João Pessoa, Fernando Milanez, em conversa com a Coluna. Desassombrado quanto a enfrentamentos, o ex-vereador não titubeia ao afirmar que não há sentido e nem viabilidade Prefeitura e Estado manterem, do próprio bolso, o funcionamento da Estação Ciência e do Centro de Convenções, respectivamente.

É um desperdício de dinheiro, assevera Milanez. Pelos cálculos dele, só com a manutenção básica, sem gastos extras, o Centro de Convenções custa pelo menos R$ 1 milhão mês.

Já a Estação Ciência Cabo Branco onera os cofres públicos, mensalmente, em cerca de R$ 500 mil. Somando as duas casas, um total de R$ 1,5 milhão por mês e R$ 18 milhões ao ano. Uma cifra expressiva, convenhamos.

Para o secretário, a terceirização anula os gastos e, por tabela, traz receitas. Ou seja, ao invés de gastar, Município e Estado ganham recursos e, com a iniciativa privada na exploração dos espaços, programações são otimizadas e mais eventos são captados.

A idéia é no mínimo polêmica, sobretudo, porque parte de um secretário de Turismo, naturalmente impelido, pela função, a defender o controle total do poder público sobre o seu patrimônio.

Milanez não está nem aí para essa cultura. Pensa que Centro de Convenções e Estação Ciência estarão melhores nas mãos da inquietude de empresários obrigados, pelo interesse no lucro, a viabilizá-las. Não sob bundas sentadas em gabinetes do comodismo da burocracia e dos contracheques.

Expansão de negócios
A Art & C, conceituada agência potiguar do reconhecido publicitário Arturo Arruda (foto), intensifica nos últimos dias a presença na Paraíba, onde detém conta da Prefeitura de João Pessoa. O empresário prospecta e avança no volume de novos atendimentos em solo tabajara.

BRASAS
*Fico – Ao colunista, o presidente da Assembleia, Gervásio Maia (PSB), foi categórico: o projeto de transferência da Assembleia está enterrado.

*Beco sem saída – Se não houver acordo entre Joás de Brito e Saulo Benevides, Márcio Murilo, o mais antigo, será obrigado a ir para a disputa da eleição do TJ.

*Sinal vermelho – Geraldo Medeiros, diretor do Trauma de Campina Grande, que atendeu 746 pessoas no feriadão, alerta para uma cultura de violência no Brasil.

*Plugado – Dunga Júnior, novo secretário de Ciência e Tecnologia de Campina Grande, animando com o desafio.

*Finalização – Contagem regressiva para a estreia desta Coluna em página própria em formato moderno e atualização full-time .

FALA CANDINHA!
Fechando o Verão
Dona Candinha sobre a expectativa da Transposição:
– As águas de março vão trazer Temer…

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Vai ter gritos de “Fora Temer” na inauguração da Transposição, na Paraíba?

PINGO QUENTE
“É melhor cuidar do que já existe do que começar do zero”. Da presidente da Companhia Docas, Gilmara Temóteo (foto), sobre o debate de um novo porto na Paraíba.

Leia Também