João Pessoa, 25 de junho de 2022 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
entrevista

No Brasil para lançar “Sira”, escritora espanhola María Dueñas fala ao MaisPB

Comentários:
publicado em 25/06/2022 às 12h00
atualizado em 25/06/2022 às 09h05

Kubitschek Pinheiro – MaisPB

A espanhola María Dueñas está no Brasil. Uma das maiores escritoras da Europa, também professora de linguística, autora de vários livros, sendo seu primeiro romance, “O Tempo Entre Costuras”. Ela veio falar sobre “Sira”, seu novo romance, lançado em nosso país, pela Planeta, que é a continuação da história que a revelou – e a ajudou a se manter ocupada durante a pandemia de Covid-19, o estrondoso “O Tempo Entre Costuras”, também com o selo da Planeta, que lançou uma edição comemorativa dos 100 mil exemplares vendidos em nosso país.

Depois do “sucesso imprevisto”, como ela diz, o sucesso arrebatador de “O Tempo Entre Costuras”, que vendeu 5 milhões de exemplares no mundo e 200 mil no Brasil, Dueñas escreveu vários outros livros e não pensava no seu romance de estreia – e tampouco ouvia pedidos para que continuasse a saga desta jovem costureira que deixa Madri e vai atrás do homem que ama no Marrocos, poucos meses antes do início da Guerra Civil Espanhola (1936-1939) e que, com o passar do tempo, e a chegada da Segunda Guerra Mundial, se vê envolvida em um mundo de espionagem.

Em “Sira”, o cenário se alterna entre Jerusalém, Londres, Madri e Tânger no final da Segunda Guerra Mundial. A protagonista, depois de concluir seu trabalho no Serviço Secreto Britânico, acredita que vai ter um pouco de paz, mas algo trágico acontece, ela terá que assumir desafios arriscados ao mesmo tempo em que se confronta com a experiência da maternidade.

O livro mostra questões políticas e históricas e o cruzamento entre culturas. A obra nos remete a tempos turbulentos, que, acreditava-se, tinham virado história. O que interessava à autora neste regresso ao passado? E tendo passeado por lá, como é voltar e viver os dias de hoje?

Você vai sabe tudo isso e muito mais lendo “Sira” e nossa entrevista com ela, que disponibilizamos em bilíngue.

Maria Dueñas é leitura obrigatória e de cabeceira.

MaisPB – O romance “Sira” já estava previsto que seria a continuação de “O tempo entre costuras?”

Maria Dueñas – Inicialmente eu não tinha intenção de escrever uma continuação para o livro O tempo entre costuras, apesar dos leitores me pedirem na época. O sucesso imprevisto desse primeiro romance me absorveu por dois ou três anos, o que foi fantástico, mas também uma demanda muito intensa. Por isso, decidi que eu e a personagem Sira precisávamos nos separar e me dediquei a escrever outros romances.

Maria Dueñas – En principio, yo no tenía intención de escribir una secuela de El tiempo entre costuras, a pesar de que los lectores me lo pedían en su momento. El éxito imprevisto de esa primera novela me absorbió durante dos o tres años, fue algo fantástico, pero también algo muy intenso demandante. Por esa razón, decidí que el personaje de Sira y yo necesitábamos separarnos, y me dediqué a escribir otras novelas.

MaisPB – Por que tanto tempo, 12 anos para “Sira” chegar ao leitor?

Maria Dueñas – Como falei, inicialmente eu não tinha intenção de escrever uma continuação para o livro O tempo entre costuras, apesar dos leitores me pedirem na época. O sucesso imprevisto desse primeiro romance me absorveu por dois ou três anos, o que foi fantástico, mas também uma demanda muito intensa. Por isso, decidi que eu e a personagem Sira precisávamos nos separar e me dediquei a escrever outros romances. A ideia me veio durante uma viagem a Tânger, Marrocos, alguns meses antes da pandemia. É uma cidade em que vou com frequência. Me interessa seu presente, mas sobretudo seu passado, quando foi um fascinante cenário internacional, principalmente na primeira metade do século XX. Decidi então que eu gostaria muito de voltar a esse mundo com uma nova história, e desde o princípio eu tive claro que, se fosse para voltar ali, deveria ser pelas mãos de Sira.

Maria Dueñas – La idea me sobrevino durante un viaje a Tánger unos meses antes de la pandemia. Es una ciudad a la que voy con frecuencia. Me interesa su presente y sobre todo su pasado, cuando fue un fascinante escenario internacional sobre todo en la primera mitad del siglo XX. Decidí entonces que me apetecía mucho volver a ese mundo con una nueva historia, y desde el principio tuve claro que, si volvía allí, habría de ser de la mano de Sira.

MaisPB – “ “O Tempo Entre Costuras”, ” deu origem à seria de TV em 2013, cujo sucesso continua aqui no Brasil e na Espanha. Vamos falar sobre isso?

Maria Dueñas – Foi uma adaptação audiovisual excelente, que teve um grande sucesso em todo o mundo. Os produtores foram muito respeitosos com a minha obra e com os meus critérios, e creio que conquistou um resultado maravilhoso que cativou uma enorme audiência.

Maria Dueñas – Fue una adaptación audiovisual excelente, que cosechó un gran éxito en todo el mundo. Los productores fueron muy respetuosos con mi obra y con mi criterio, y creo que se logró un resultado maravilloso que cautivó a enormes audiencias.

 

MaisPB – Em “Sira”, a gente percebe que a personagem da mulher continua forte, depois dos hecatombes da Guerra Civil Espanhola e, claro da Segunda Guerra Mundial. O que lhe motivou a cria tão importante personagem?

Maria Dueñas – Sira é uma personagem em constante evolução e os eventos históricos vão em grande medida marcando seu caminho. Mas ela não nasceu com aptidão para ser uma heroína, a conhecemos sendo uma jovem inocente e insegura. É a vida que a faz crescer e é nisso que eu acredito estar boa parte do atrativo da personagem.

Maria Dueñas – Sira es un personaje en constante evolución, y las situaciones históricas van en gran manera marcando su camino. Pero ella no nació con aptitudes para convertirse en una heroína, la conocimos siendo una joven inocente e insegura, es la vida quien la hace crecer, y en ello creo que radica gran parte del atractivo del personaje.

MaisPB – Vamos falar da chegada de personagens históricos, como Evita Perón?

Maria Dueñas – Na dura Espanha do pós-guerra, um dos acontecimentos que marcaram os anos 40 foi a visita de Eva Perón, por isso não era algo natural que eu a incluísse no meu romance. Foi uma visita muito importante pra Espanha, tanto em temas econômicos, devido a importante ajuda da Argentina para paliar as misérias do nosso país, como em termos políticos, pela visita ser utilizada como ferramenta de propaganda do franquismo. Mas também foi uma visita de relevância humana, que trouxe um pouco de divertimento para a triste sociedade daquela época.

Maria Dueñas – En la dura España de posguerra, uno de los acontecimientos que marcaron los años 40 fue la visita de Eva Perón, por ello no era algo natural que la insertase en mi novela. Fue una visita muy importante para España, tanto en temas económicos, por la importante ayuda de Argentina para paliar las miserias de nuestro país, como en términos políticos, al ser la visita utilizada como una herramienta de propaganda del franquismo. Pero también fue una visita de relevancia humana, que aportó un poco de divertimento a la triste sociedad de aquella época

MaisPB – Como a senhora conseguiu dividir o espaço geográfico entre Jerusalém, Londres, Madri e Tânger com tantas riquezas de detalhes?

Maria Dueñas – Eu trabalho muito a fundo a documentação, consultando todo tipo de fonte: obras de especialistas, imprensa da época, livros de memórias, informação gráfica… É um trabalho intenso e que me absorve bastante, mas eu gosto muito.

Maria Dueñas –Trabajo muy a fondo la documentación, consultando todo tipo de fuentes: obras de especialistas, prensa de la época, libros de memorias, información gráfica… Es un trabajo intenso y absorbente, pero lo disfruto mucho.

MaisPB – É fantástica a passagem da maternidade na vida da personagem. Poderia falar um pouco sobre momento do romance?

Maria Dueñas – A maternidade transforma a Sira, muda suas prioridades e seu posicionamento no mundo. Porém, ainda que seu filho seja o mais importante da sua vida, ela se nega que a maternidade a absorva e impeça de ter uma existência ativa em outras vertentes. Nesse sentido, podemos dizer que é uma mulher a frente do seu tempo, tentando conciliar a vida familiar e a vida profissional quando aquilo não era comum entre as mulheres.

Maria Dueñas – La maternidad transforma a Sira, cambia sus prioridades y su posición en el mundo. Sin embargo, aunque su hijo sea lo más importante de su vida, ella se niega a que la maternidad la absorba y le impida tener una existencia activa en otras vertientes. En ese sentido, podríamos decir que es una mujer adelantada a su tiempo, intentando conciliar vida familiar y vida profesional cuando aquello no era lo común en las mujeres.

MaisPB – Maria Dueñas conhece a literatura brasileira, tem algum escritor de sua predileção?

Maria Dueñas – Conheço e aprecio grandes nomes, principalmente mulheres: Clarice Lispector, Ana Miranda, Nélida Piñon. Mas eu gostaria de conhecer outras vozes.

Maria Dueñas – Conozco y aprecio grandes nombres, mujeres principalmente: Clarice Lispector, Ana Miranda, Nélida Piñón… Pero me gustaría también conocer otras voces.

MaisPB – Sira é uma mulher muito atual, embora o romance se passe na década de 40, ela tem muito da escritora?

Maria Dueñas – Não, absolutamente nada. Somos mulheres muito diferentes, com trajetórias vitais totalmente diferentes.

Maria Dueñas – No, nada en absoluto. Somos mujeres muy distintas, con trayectorias vitales totalmente diferentes.

MaisPB – Desde quando a senhora, uma doutora em Filologia Inglesa descobriu que existia uma escritora dentro de si?

Maria Dueñas – Sou uma escritora tardia, comecei a escrever e publicar quando tinha mais de 40 anos. Mas sou linguista, boa leitora e com uma imaginação fértil, então não é estranho que esses componentes tenham me levado para a literatura.

Maria Dueñas – Soy una escritora tardía, empecé a escribir y publicar cuando ya tenía más de 40 años. Pero soy lingüista, buena lectora y con una imaginación fértil, así que no resulta extraño que esos componentes desembocaran en la literatura.

MaisPB – Os outros livros “A melhor história está por vir”, “As filhas do Capitão” e “Destino: La templanza” que são sucesso de crítica e público, tratam do cotidiano, da vida de todos nós?

Maria Dueñas – São romances que também nos apresentam cenários e momentos históricos – a Califórnia hispana, o exílio espanhol, o México recém independente, Cuba colonial, emigração espanhola para os EUA. Mas dentre esses, claro, também temos personagens muito críveis, carismáticos e cativantes, com suas luzes e suas sombras, com aventuras e desventuras tremendamente humanas.

Maria Dueñas – Son novelas que también nos presentan escenarios y momentos históricos —California hispana, exilio español, México recién independizado, Cuba colonial, Jerez bodeguero, emigración española a EEUU. Pero dentro de ellos, por supuesto, también tenemos personajes muy creíbles y solventes, carismáticos y entrañables, con sus luces y sus sombras, con aventuras y desventuras tremendamente humanas.

MaisPB – Qual é a sensação de ver que suas obras chegam a milhares de leitores, traduzidas em mais de 35 línguas?

Maria Dueñas – Agradecimento, acima de tudo.

MaisPB – Está pensando num novo livro?

Maria Dueñas – Estou escrevendo, avançando pouco a pouco.

Maria Dueñas – Estoy en ello, avanzando poco a poco.

MaisTV

Brasil vence a primeira na Copa do Mundo Sub-20 de futebol feminino

contra Austrália - 14/08/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas