João Pessoa, 01 de janeiro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Francisco Leite Duarte é Mestre e Doutorando em Direito pela UFPB. É professor da Universidade Estadual da Paraíba, Jurista, Escritor, Palestrante e Auditor Fiscal. Prêmio nacional de educação fiscal 2016 e prêmio estadual e nacional de educação fiscal 2019. Na literatura, publicou o romance “O pequeno Davi”, uma coletânea de contos chamada “Crimes de Agosto” e uma coletânea de prosa poética (este em parceria com Cavichioli), chamada “Decifra-me ou te devorarei

O invejoso

Comentários:
publicado em 01/01/2020 às 11h25
A- A+

“A inveja é como beber veneno e esperar que a outra pessoa morra”

(Carrie Fischer).

Se há um tipinho asqueroso de gente, esse bichinho amargurado é o invejoso. Ele nada cria, nem copia, nem transforma. É um ser rabugento em estado constante de ebulição mental que lhe consome a vida, um ser esforçado para apequenar os feitos alheios, já que, dele mesmo, não há algo digno de nota.

O invejoso é um frustrado, porque o seu agir termina por divulgar as conquistas alheias, que tanto quer aviltá-las. Frustra-se.

O invejoso é um ressentido, porque seu riso é sarcástico, e sua alma é cínica. Ressente-se.

O invejoso é um fingidor, porque precisa de uma pessoa invejável que, de algum modo, possa contrapor-se à sua (dele) insignificância. Finge.

É triste a vida de um invejoso.

Há de ser sutil, quando suas tripas ardem em brasa, como o magma que avança pela cratera do seu vulcão interno.

Há de ser exagerado em elogios em relação à pessoa invejada, quando a sua mente desmente o que a sua língua sibilante vocifera.

O invejoso é um alienado, porque o espelho para o qual olha nada lhe acrescenta. Aliena-se.

O invejoso é um complexado, porque sua inferioridade é o palco da sua vida. Diminui-se.

O invejoso é um ser autodestrutivo, porque seu mau-caráter logo se torna evidente. Autodestrói-se.

É triste a vida de um invejoso.

Há de portar uma segurança onde só há desditas.

Há de atirar ao alto, mas o tiro só cai no próprio pé, porque é uma pessoa tóxica.

O invejoso é um sofredor, porque é um competidor fracassado. Sofre.

O invejoso é um dissimulado, porque está na espreita da vida de outrem, disfarçando a bondade. Dissimula.

O invejoso é um imbecil, porque se vangloria da sua arte de destruir. Imbeciliza-se.

É triste a vida de um invejoso.

Há de desdenhar as conquistas alheias à custa de uma corrosão interna que lhe come o fígado.

Há de se mostrar candidamente educado, mas é um mau-caráter.

Caro invejoso, cuide-se! Você é uma pessoa. Isso não lhe basta?

Ah! Antes que o ano acabe: Feliz 2021! E ofereço, com o maior apreço, este poeminha do contra de Mario Quintana: “Todos esses que aí estão/ Atravancando meu caminho,Eles passarão… Eu passarinho!”

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!