João Pessoa, 30 de julho de 2020 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração e atual presidente da Academia Paraibana de Ciência da Administração. E-mail: admmariotourinho@gmail.com

Sobre o Bessa, pra Cartaxo, (in)diretamente (I)

Comentários:
publicado em 30/07/2020 às 08h31
A- A+

Que pretendo aqui me reportar ao Bessa (bairro da capital paraibana), está bem evidente. Idem quanto ao fato de que este texto está direcionado ao prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo.

Mas, em relação à palavra “(in)diretamente”, pode algum(a) leitor(a) ficar em dúvida. E esclareço: – é porque um assunto como o deste texto pode e até deveria ser diretamente encaminhado ao dirigente municipal por e-mail, whatsapp ou correspondência tradicional tipo “ofício”, este entregue ao gabinete de trabalho da referida autoridade. Ocorre, porém, que, em geral, estes meios de comunicação, quando dirigidos a autoridades políticas, “perdem-se na burocracia” ou na seleção feita pela assessoria… e aí!… Quando se tem sorte da respectiva “missiva” passar por um(a) mais comprometido(a) auxiliar da autoridade-mor, pelo menos o remetente recebe uma resposta minimamente dizendo “recebemos”.

Para exemplificar: – antes da pandemia, um deputado  federal paraibano estava pessoalmente dando uma entrevista para uma emissora de rádio local. Empolgando-me com a excelente exposição que ele fizera sobre a questão da reforma previdenciária, e como me encontrava próximo à emissora, fui  pessoalmente o cumprimentar. Como demorou a sair do estúdio, desloquei-me ao seu motorista – que estava na área de estacionamento – e com ele deixei o recado, passando-lhe o número de meu telefone. Como telefonema não houve, enviei e-mail a dois dos endereços de sua assessoria em Brasília, um desses e-mails parecendo ser do próprio deputado. Uma ou duas semanas depois, em um restaurante do Shopping Manaíra, encontramo-nos. Ele –o deputado – levanta-se de onde está e, como  lhe é próprio, cordialmente se dirige  a mim: – “Oi, Dr, Mário!… Quanto tempo sem notícia sua!…”. Expus, então, sobre os contatos que tentei, especialmente sobre os e-mails que enviei e nos  quais também fizera sugestões de ação parlamentar. Da parte do deputado, ficou de ver o  que aconteceu com os e-mails que eu lhe enviara.

Penso, pois, que quando se faz um encaminhamento de assunto (seja sugestão, seja reclamação) através de meios de comunicação pública, as assessorias tendem a ser sempre mais eficientes nesse encaminhamento à autoridade-mor. Por isto, o assunto deste texto – já enviado “diretamente”, está aqui posto “indiretamente”. Todavia, como o espaço já está tomado, o tema “Bessa”, especificamente, será exposto na parte II que espero veicular proximamente.

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!