João Pessoa, 02 de fevereiro de 2013 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
SECA

Rômulo Gouveia apela que prefeitos e paraibanos evitem ‘carnaval das águas’

Comentários:
publicado em 02/02/2013 às 17h38
A- A+

 O vice-governador Rômulo Gouveia (PSD) apelou, neste sábado (2), que os paraibanos evitem as programações carnavalescas em mananciais e o desperdício de água durante os festejos de ‘Momo’. Rômulo lembrou que o Estado enfrenta a pior seca em décadas e, por isso, não é compreensível o desperdício de água neste período.

Com mais de 80% dos municípios em estado de emergência, devido a forte estiagem, o vice-governador afirmou que é necessário uma conscientização dos gestores municipais, para que os evento oficiais sejam cancelados, e da população, para que o desperdício seja anulado. Ele lembrou que a maioria dos reservatórios da Paraíba estão com níveis preocupantes e que dezenas de cidades só têm água através do abastecimento feito por carros-pipa.

“Nossos irmãos estão sofrendo com a falta de água. Não há motivo de fazermos festa, guando não se tem água”, afirmou o vice-governador sobre tradicionais eventos no interior da Paraíba.

Rômulo Gouveia parabenizou os prefeitos que já suspenderam os eventos e cobrou uma postura condizente com a realidade das cidades que pretendem realizar festas durante o carnaval.

O vice-governador revelou que já participo de ‘carnavais molhados’, festas realizadas em mananciais, mas afirmou que o momento exige uma conscientização e uma postura diferente do povo paraibano.

A Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba – Aesa – faz um monitoramento constante dos reservatórios do estado e, mesmo com o registro de chuvas em algumas cidades, a situação hídrica do Estado ainda é de alerta .

De acordo com a previsão de irregularidade das chuvas, divulgado pela Aesa, “tem-se que os eventos de precipitações no inicio do período chuvoso não serão suficientes para a recuperação satisfatória das reservas hídricas dos açudes do Estado”.

Diante disto, o gerente Executivo de Monitoramento e Hidrometria da Aesa, Lucílio José Vieira, aconselha a população a utilizar “a água de forma racional, justamente para não evitar o colapso no abastecimento, que pode acontecer em algumas cidades que passam por um período de seca mais forte”, e ainda não foram afetadas com o colapso.

Do ponto de vista agrícola, o inicio do período chuvoso no semiárido paraibano não garantirá a regularidade das chuvas, já que existe a possibilidade de ocorrência de veranicos (curtos períodos sem chuvas) e que poderá trazer déficits hídricos à manutenção e desenvolvimento de certas culturas sequeiro. Sendo recomendado o inicio das práticas agrícolas dentro do quadrimestre mais chuvoso de cada região (semiárido – fevereiro a maio).

Diante das dificuldades que enfrenta a Paraíba, Rômulo Gouveia disse esperar contar com a compreensão e colaboração dos paraibanos neste período de seca.

Assessoria

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!