João Pessoa, 09 de maio de 2012 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
CANIBALISMO

Resultado do DNA de vítimas dos canibais de PE sai nesta quarta

Comentários:
publicado em 09/05/2012 às 08h59
A- A+

Está previsto para sera divulgado nesta quarta-feira (9), segundo a Polícia Civil de Pernambuco, o resultado dos exames de DNA feitos nos restos mortais de três das vítimas do trio preso suspeito de canibalismo. Um homem e duas mulheres foram detidos em abril na cidade de Garanhuns, no agreste pernambucano.

Segundo o diretor-geral de Operações da Polícia Civil, Osvaldo Morais, é esperado que as identidades sejam confirmadas como sendo as de Giselly Helena da Silva, de 30 anos, Alexandra Falcão da Silva, de 20 anos, e Jéssica Camila Pereira.

Os restos das duas primeiras foram encontrados no fundo da casa onde os suspeitos viviam em Garanhuns. A possível ossada de Jéssica Camila Pereira foi encontrada em uma residência em Olinda, na região metropolitana do Recife, durante escavações feitas com base nos depoimentos do trio.

— Estamos esperando essa confirmação do DNA para concluir as investigações e indiciar o trio. Achamos difícil que mais restos mortais sejam encontrados.

Além das três vítimas, o grupo teria confirmado em depoimento o assassinato de mais cinco mulheres no Estado. Eles confessaram também que comiam a carne das mulheres como parte de um ritual de purificação. O primeiro crime cometido pelo trio teria ocorrido em 2008.

A polícia deve fazer também o exame de DNA em pessoas que afirmam ser parentes de uma menina encontrada com os suspeitos no momento da prisão. Segundo o delegado Wesley Fernandes, titular da delegacia de Garanhuns, a menina está em um abrigo e só será entregue aos familiares quando for comprovado o parentesco.

Jorge Negromonte Silveira, de 50 anos, é suspeito de liderar o grupo de supostos canibais. Ele é formado em educação física e já deu aulas de karatê, ginástica e dança. Em um livro apreendido pela polícia, Silveira teria descrito como cometeu o assassinato de Jéssica. No mesmo documento, ele desenhou pedaços de corpos, enterros e caveiras.

Após a prisão do trio, a polícia descobriu que além de comer parte dos corpos, eles também usavam a carne para fabricar salgados, como coxinhas e empadas, que eram vendidas à população de Garanhuns.

R7

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!