João Pessoa, 20 de agosto de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Francisco Leite Duarte é Mestre e Doutorando em Direito pela UFPB. É professor da Universidade Estadual da Paraíba, Jurista, Escritor, Palestrante e Auditor Fiscal. Prêmio nacional de educação fiscal 2016 e prêmio estadual e nacional de educação fiscal 2019. Na literatura, publicou o romance “O pequeno Davi”, uma coletânea de contos chamada “Crimes de Agosto” e uma coletânea de prosa poética (este em parceria com Cavichioli), chamada “Decifra-me ou te devorarei

As estripulias de uma flor mirrada

Comentários:
publicado em 20/08/2021 às 07h33
A- A+

Todos os dias, estamos sem assunto para escrever. Graças a Deus! Quem, por vício ou por necessidade, tem tudo roteirizado na cabeça é robô. Os humanos… Somos feitos de carne e vácuo, e é no vazio de uma tela em branco do computador que uma visão, como uma estrela candente, risca o nosso cérebro de um lado ao outro e lá se instala, toda satisfeita. Em sendo estrela boa, fita o cronista e diz: “Observe-me.”

Foi o que aconteceu com aquela flor premida ao pé do banco de praça, suscetível às pisadas desgovernadas dos transeuntes da vida, que, para remoerem os pensamentos ou as agruras diárias, sentam-se naquele banco cinza, concreto solitário, e lá se põem a falar sozinhos, rir sem sentido, chorar as suas desilusões, uma lágrima caída ao pé de uma flor qualquer.

Flor qualquer, uma ova! Fitou-me com seus olhinhos capiongos, azuis de doer. Era mirrada e tinha o caule torto, retorcido sobre si mesmo, três pétalas apenas, duas delas meio carcomidas pelas solas de sapatos; a outra, porque se agarrara à esperança, era verde e viçosa, emaranhada na perna daquele banco, por onde, agarrada ao concreto morto, buscava o Sol.

Como eu estava naqueles dias em que a mente vagueia por todas as nuvens, sem encontrar algum carneirinho em que eu pudesse montar e escrever a crônica do dia, pus-me a imaginar umas baboseiras. Talvez eu devesse transferir aquela flor amarelo-ouro para outro lugar, onde a configuração para a vida estivesse plenamente satisfeita. Mas, não. O vazio da minha mente me questionou. E, se aquela flor fosse o testemunho da resiliência, a necessidade de ensinar aos passageiros da vida que o maior privilégio de viver é ser uma poesia feita de sonhos e resistência? Pois, foi assim que eu, observando as raízes profundas daquela flor, escrevi esta reticência cheia de nada e tudo.

Instagram: @professorchicoleite

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

“Nordeste não é problema, é solução”, diz João Dória

AGENDA NA PARAÍBA - 23/10/2021

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas