João Pessoa, 29 de janeiro de 2020 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
natural de cajazeiras

Paraibano assume presidência do INSS

Comentários:
publicado em 29/01/2020 às 10h26
A- A+
Leonardo Rolim - Foto: Sérgio Lima/Poder360

Um paraibano de Cajazeiras assumiu a presidência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Trata-se do cajazeirense Leonardo Rolim, que ocupava anteriormente a secretaria de Previdência, órgão sob o guarda-chuva da secretaria especial comandada por Rogério Marinho, secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Marinho anunciou nessa terça-feira (28) a demissão do então presidente do INSS, Renato Vieira.

“Hoje tivemos uma conversa com o presidente Renato Vieira, e ele consolidou sua posição de sair do INSS, a pedido. Foi uma conversa amadurecida ao longo dos últimos 15 dias. O Renato acha que precisa se dedicar a seus projetos e nós aceitamos sua demissão”, disse.

Questionado sobre eventual ligação da demissão com as filas de espera na concessão de benefícios do INSS, o secretário respondeu que a saída se deu por razões particulares. Segundo ele, Rolim conhece de perto o trabalho do INSS e não haverá comprometimento na atuação do órgão.

“A ideia é que não haja descontinuidade no trabalho e tenhamos oxigenação nesse processo”, disse.

O governo vem enfrentando uma série de problemas na concessão de benefícios previdenciários.

Atualmente, a fila de espera no INSS é de 1,3 milhão. Esse é o estoque de requerimentos de benefícios que não foram respondidos dentro do prazo legal -45 dias. Em julho do ano passado, a demora atingia 1,7 milhão de pedidos.

Para tentar resolver o problema, o governo anunciou, há duas semanas, uma força-tarefa. A estratégia prevê que militares da reserva integrem o plano de ação contra a fila de espera.

Desde 2018, A CGU (Controladoria-Geral da União) faz alertas sobre a fila de espera no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

O INSS Digital começou a ser implementado gradualmente a partir de 2017.

O uso da plataforma buscou criar um fluxo de atendimento à população fora da agência da Previdência Social e, ao mesmo tempo, evitar atrasos diante da diminuição do número de servidores.

Neste mês, o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, afirmou que a digitalização parcial de serviços fez a fila aumentar.

Segundo o ministério, com a facilidade de acesso, o INSS passou a receber uma média de 264 mil requerimentos a mais por mês. Além disso, houve demora e falhas técnicas na adaptação dos sistemas às novas regras de aposentadoria.

MaisPB com informações da Folha de S. Paulo

MaisTV

Carreta tomba em curva na Serra de Santa Luzia no Sertão

vídeo - 17/09/2021

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas