João Pessoa, 22 de março de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
crise hídrica

Romero Rodrigues revela expectativa sobre a transposição

Comentários:
publicado em 22/03/2017 às 11h15
A- A+

Ao participar do Programa Fernando Gabeira, transmitido pela Globo News, o prefeito de Campina Grande revelou a sua expectativa quanto ao projeto de transposição das águas do Rio São Francisco. Segundo ele, a chegada dessas águas acontece na hora certa por conta do agravamento da crise hídrica local.

Segundo o prefeito, o colapso no abastecimento d’água era eminente, pois o açude de Boqueirão, que abastece Campina Grande, conta apenas com 3,5% da sua capacidade, comprometendo seriamente a segurança hídrica da cidade Rainha da Borborema, além de outros 18 municípios do Compartimento da Borborema.

De acordo com ele, houve o aceleramento das obras justamente por conta do risco da cidade sofrer um “colapso” do seu abastecimento d’água já a partir do próximo mês de abril. Isto só foi possível, segundo ele, por conta da luta das lideranças paraibanas com o intuito de sensibilizar as autoridades federais.

“Estive em Brasília diversas vezes e, ao lado de outras lideranças paraibanas, além de representantes da sociedade civil organizada, lutei para que as obras fossem aceleradas, mesmo porque estava sob o risco a segurança hídrica de uma população estimada em quase um milhão de habitantes, dos quais 410 mil residem em Campina Grande”, afirmou.

Para Romero, os efeitos da crise hídrica são gravíssimos não apenas quanto à questão do abastecimento direto ou da saúde da população, mas também em relação ao comprometimento do desenvolvimento econômico local, impedindo que novas empresas – sobretudo do ramo da construção civil – pudessem investir na cidade, impossibilitando-se a geração de mais emprego e renda.

Sobre o futuro da transposição, concordou com o jornalista Fernando Gabeira sobre a possibilidade de um projeto mais amplo, com a integração das bacias do Tocantins com a do São Francisco. Isto poderá ser, no futuro, mais uma ação redentora para o Nordeste, região encravada no semi-árido brasileiro.

“Com certeza, será mais uma possibilidade ou alternativa definitiva para que possamos enfrentar, conviver melhor ou amenizar um dos mais graves problemas regionais, fazendo com que a água chegue para a maior parte dos estados nordestinos, entre eles Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Pernambuco”, afirmou.

Codecom

MaisTV

Campina Grande terá o segundo maior hospital do Nordeste

- 20/05/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas