João Pessoa, 18 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
SAIA JUSTA

Cobrado por Dilma, Aguinaldo responsabiliza Cartaxo e Ricardo por atraso em obras

Comentários:
publicado em 09/10/2014 às 14h49

O ex-ministro das Cidades e deputado federal reeleito, Aguinaldo Ribeiro (PP), alfinetou, nesta quinta-feira (9), o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), e o governador Ricardo Coutinho (PSB), por causa de atrasos em obras de mobilidade urbana na Capital paraibana, o que, segundo ele, acontece dedivo às recentes divergências políticas entre os dois.

Em entrevista ao Correio Debate, da 98 FM, Ribeiro lembrou do viaduto do Geisel, prometido pelo governo, e disse que até a presidente Dilma Rousseff quis saber sobre o andamento das obras do equipamento em João Pessoa e ouviu dele que a queda de braço do socialista com o petista foi o principal motivo para atraso do início da obra.

“Eu estou explicando isso porque ontem a presidente me perguntou no avião quando vinha de Brasília para o Piauí, como estavam as obras na Paraíba. Eu disse a ela que estão atrasadas porque havia uma disputa política. Eu não quero é comprar briga. O que eu lamento é o malefício da população”, revelou Aguinaldo Ribeiro lembrando da briga do gestores por causa de terrenos.

“Infelizmente antigamente era tudo brigado, governador e prefeito. Agora espero que dêem frutos para o que o povo precisa. Porque quando não tinham interesse político não quiseram atender os projetos de mobilidade atrasados porque na época o governador negou os terrenos ao prefeito que criticava o governador, e teve que mudar o projeto. Isso atrasou a obra”, desabafou Aguinaldo.

Aguinaldo lembrou ainda que na época quis conciliar Ricardo e Cartaxo, mas chegaram a dizer que ele queria tirar proveito político da situação, mas agora espera que, como os gestores estão aliados, a cidade possa receber os recursos já liberados pelo Governo Federal.

“Eu fiz questão de justificar isso para aqueles que criticam o Governo Federal, porque os recursos estão aqui e não foram utilizados em função disso”, garantiu.

Roberto Targino – MaisPB

Leia Também