João Pessoa, 24 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 02:56 - 2.5 | 09:04 - 0.2 | 15:17 - 2.5 | 21:21 - 0.1 Dólar 3,26 - Euro 3,66

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Pegando o embalo

Comentários:
publicado em 24/05/2013 às 17h13
A- A+

O artigo de ontem (Remédio pra Febre), tratando de um episódio esdrúxulo envolvendo um paciente do Hospital Edson Ramalho, em João Pessoa, que deveria ser atendido e terminou sendo agredido e recambiado à delegacia por cobrar com todo o direito a presença de médico para aliviar sua dor, instigou a manifestação do leitor José Carlos Lopes Fernandes (jcl.fernandes@hotmail.com).

Para José Carlos, o caso relatado pela Coluna e em apuração pela Ouvidoria do Hospital revela a ponta do iceberg de outros problemas públicos. Ele pegou o gancho e ampliou sua crítica aos setores da Educação e Segurança, que, infelizmente, ainda não recebem aporte de recursos suficiente a permitir resultados tão sonhados pelo cidadão.

“Infelizmente é esse o retrato fiel da saúde pública na Paraíba, e até mesmo em nosso país. O mesmo mal recai sobre a educação pública em nosso Estado. Hoje, verdadeiramente não temos um programa definido para a educação, as escolas estaduais estão funcionando nas mais precárias condições. Escolas estão sem pessoal de apoio. Existe escola pública que o diretor e vice-diretor fazem a limpeza da escola, lavam banheiros e cozinhas; isso é um absurdo! Mas é a mais pura verdade”, relata.

José Carlos ainda duvida dos índices da Segurança: “Basta vê o número de arrombamentos a bancos, de homicídios, assaltos a ônibus. Logo, logo o secretário vai divulgar que em algumas cidades o índice de arrombamentos a bancos caiu 100%. E vai ser verdade, porque nessas cidades não existirão mais bancos. Que o diga a população de Paulista, onde os três bancos já foram explodidos”. E olhe, caro José Carlos, que a coisa já andou muito, muito, pior…

Apagão –
Causou buchichos nos corredores da Câmara de João Pessoa o desmaio da vereadora Raíssa Lacerda (PSD), irritada após discussão com o vereador Fernando Milanez pelo voto de aplauso ao presidente da Energisa.

Detalhes –
Milanez saiu do plenário com uma cara daquelas… Sentado na cadeira de presidente Benilton Lucena (PT) não criou uma ruga de preocupação. Bosquinho (DEM) foi conferir o ‘socorro’ até o carro de Raíssa.

Não dá mais pra segurar… –
…Explode coração. Esse é o sentimento de Nonato Bandeira (PPS) e, porque não dizer, do grupo do ex-prefeito Luciano Agra. O vice-prefeito já não camufla o incômodo com pressões, patrulhamento e precoce desprestígio da parte de quem foi beneficiário de uma das mais arriscadas e corajosas operações da nossa política nos últimos tempos.

Pelas goelas –
Agra estaria indignado não só pela gradativa demissão de aliados e indicados seus da Prefeitura, mas pela substituição por agentes ligados ao PMDB e até PSDB que só trabalharam contra a eleição de Luciano Cartaxo.

Água fria –
Setores do PT confidenciaram à Coluna a emergencial operação para apagar o incêndio na base governista. Pela filiação ao PT, bombeiros graduados do partido ofereceram a Agra garantias para disputar qualquer cargo.

Senões –
Nada que sensibilize os agristas. Por dois motivos: primeiro, estão rescaldados e temem nova quebra de compromissos; segundo, receiam que o PSB nacional se realinhe com o PT e peça, em troca, aliança na Paraíba.

Útil ao agradável –
Não fossem essas arapucas, o PT seria para a Agra a opção mais lógica de filiação. Pela simbologia, força nacional, tempo de televisão e momento de ascensão na Paraíba. E para o PT, Agra seria o nome que faltava.

Na bucha –
O repórter Écliton Monteiro (Correio Sat) perguntou pela “paz” entre Cartaxo e Agra e o vereador Bira Pereira (PSB), líder do governo do PT, respondeu: “A paz de Cartaxo e Agra é bem maior do que a de Ricardo e Cássio”.

Céu sem brigadeiro –
Até agora a Prefeitura de João Pessoa não apresentou versão oficial sobre o vôo secreto do prefeito Luciano Cartaxo no avião de um dono de cartório da cidade. Talvez porque sobrevoar o tema seja mesmo a melhor saída…

Corações flechados –
Pelas mãos do deputado Damião Feliciano, os prefeitos Cláudio Oliveira (DEM), de Jericó, Roelison Rodrigo (DEM), de Mato Grosso, e Dênis Borges (PTB), de Lagoa, aderiram ontem ao governador Ricardo Coutinho.

Andanças –
O ex-prefeito Veneziano Vital (PMDB) não perde tempo. Nessa quinta-feira, ele voltou à Sousa, no Sertão, para prestar longa entrevista ao radialista Ademar Nonato, da 104 FM, campeão de audiência da cidade e região.

Água no choop –
O deputado Carlos Dunga promete ser a pedra no sapato do ex-senador Wilson Santiago no PTB. Ontem, recomendou cautela a Santiago sobre a participação do partido na majoritária. Falta tamanho, admite Dunga.

Remessa –
Essa eu soube pelo antenado confrade Adenilson Maia, o Professor União. Todas as 800 escolas da rede estadual estão recebendo kits esportivos completos. Veterano, União deu seu testemunho: “Nunca vi isso por aqui”.

PINGO QUENTE – “Queriam que ele fosse de carro”? Do vereador Djanilson da Fonseca (PPS) com a faca amolada em defesa do rumoroso vôo de Cartaxo a Salvador a bordo do avião de um dono de cartório.