João Pessoa, 23 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 02:06 - 2.3 | 08:13 - 0.3 | 14:26 - 2.4 | 20:38 - 0.2 Dólar 3,27 - Euro 3,67

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

JP não pode esperar

Comentários:
publicado em 01/07/2013 às 10h33
A- A+

O pedido de audiência da parte do prefeito Luciano Cartaxo e a sinalização positiva do governador Ricardo Coutinho, ontem, parece representar, para os padrões da Paraíba e pelo destaque na mídia, um ‘grande’ fato, mesmo perto de completar sete meses da instalação da nova (petista) gestão de João Pessoa.

Na verdade, essa agenda, sem data definida, demonstra mesmo o quanto a política da Paraíba ainda é carcomida e marcada pelas diferenças pessoais e partidárias. Nada justifica que dois homens públicos responsáveis pelos destinos da Capital e do Governo adiem tanto a discussão das demandas e urgências da maior cidade do Estado.

É como se Cartaxo tivesse demorado 180 dias pra descobrir que a Prefeitura de João Pessoa precisa de parcerias com o Governo de um rival e como se Ricardo Coutinho só agora tivesse acordado do pesadelo de 2012 e finalmente reconhecido que o novo prefeito escolhido pela cidade foi um adversário seu, não um aliado.

Tamanho deslize não se conceberia nem em Salvador, onde o prefeito ACM Neto (DEM) e o governador Jacques Wagner (PT) são ferrenhos adversários. Lá, ainda em novembro passado, um mês após a vitória do democrata, os dois tiveram o primeiro encontro. Dias depois, foram juntos à presidente Dilma. Em abril último, voltaram a sentar e acordaram a tarifa de administração do metrô da capital baiana.

O exemplo dos baianos chama-se civilidade política e consciência das obrigações institucionais, independente das questões de cunho pessoal e político. O contrário é personalismo e intriga miúda que nada constrói. Antes de políticos, os gestores são servidores públicos. Cartaxo e Ricardo ainda têm tempo de se redimir. Que eles não protelem por mais tempo os deveres confiados pelo povo.

Afinação –
“É preciso ajustar os projetos. (…) Combinar intervenções”, disse o governador socialista, referindo-se a necessidade de sintonia entre o Governo e a Prefeitura nas futuras obras na área de mobilidade urbana.

Disponível –
À imprensa, Ricardo dispensou a necessidade de formalidade e protocolo para concessão da audiência ao prefeito da Capital. Até um telefonema, segundo ele, seria canal suficiente para combinar o dia do encontro.

Passando a bola –
“Quem marca a data agora é o governador. Nós fizemos a solicitação e estamos aguardando para que nós possamos conversar bastante”, registrou Luciano Cartaxo, que manteve com Ricardo uma conversa preliminar na última segunda-feira, em Brasília, por ocasião da reunião da presidente Dilma com governadores e prefeitos das capitais.

Profana –
O arcebispo dom Aldo Pagotto não crê em sinceridade na medida que torna corrupção crime hediondo: “Acho que é uma jogada de marketing da reeleição da própria presidente. É o tipo da coisa que ninguém acredita”.

Solidariedade –
O prefeito Romero Rodrigues (PSDB) visitou ontem a coordenação do Ministério Público em Campina Grande para referendar a derrubada da PEC 37. “A Prefeitura está de portas abertas ao MP, o fiscal da lei”, registrou.

Calo –
Em campanha para deputada estadual, a médica Tatiana Medeiros (PMDB) não perde a chance de polarizar com Romero, com quem disputou o segundo turno. Assumiu o papel e é quem faz a mais dura oposição ao prefeito.

Goela abaixo –
Do vice-prefeito de João Pessoa, Nonato Bandeira (PPS), sobre as incertezas em torno da definição do futuro comando do MD (resultado da fusão nacional PMN/PPS): “O que a gente não aceita são decisões de cima pra baixo”.

Casamento –
Quem vê, se surpreende com a rápida afinação entre o presidente da Assembléia, Ricardo Marcelo, e o ex-prefeito Luciano Agra, a mais nova aquisição do PEN. O encontro dos dois parece que já estava no horóscopo.

Detalhe –
Autor de projeto de lei que prevê a convocação de uma Constituinte, o deputado Leonardo Gadelha (PSC) não sabe se seria candidato a estar entre os eleitos para pensar a reforma política: “Confesso que ainda não pensei”.

Crivo –
Presidida pelo paraibano Vital do Rêgo (PMDB), a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou ontem os três nomes indicados pela presidente Dilma para ocupar as vagas de ministros do Superior Tribunal de Justiça.

Referência –
No Smart Cities Summit, em São Paulo, que debateu cidades inteligentes e sustentáveis esta semana, João Pessoa foi citada por Nino Carvalho, da FGV, como cidade modelo no uso inovador das redes sociais na gestão pública.

Interlocução –
Superintendente do DER, Carlos Pereira informou que o órgão tem realizado rodada de conversações com empresários dos transportes intermunicipais para avaliar, estudar e definir o patamar da redução no preço das passagens.

Último –
Com a adesão de Neto da Vila Nova (PPL), a prefeita de Cajazeiras, Denise Oliveira (PSB), chegou ao 14º vereador na sua bancada de apoio na Câmara. Jucinério Félix (PTB) será o representante solitário da oposição…

PINGO QUENTE – A tese de candidatura própria não mudou em nada”. Do presidente do PT de João Pessoa, Jackson Macedo, sobre a frustrada expectativa de filiação de Luciano Agra ao partido.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba, edição do dia 28/06/2013 (sexta).

Leia Também