João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Peso da aliança

Comentários:
publicado em 10/10/2013 às 16h58

Mais do que qualquer outra avaliação, dentre os múltiplos focos possíveis, a pesquisa Vox Populi, encomendada pela Confederação Nacional dos Transportes e divulgada ontem, traz um dado incontestável e indigesto para a oposição: a manutenção da aliança PSB e PSDB é franca favorita na eleição para o governo da Paraíba.

 No cenário que suscita a hipótese do grupo governista rachar em duas candidaturas, o senador Cássio Cunha Lima desponta com 50% das intenções de voto. O governador Ricardo Coutinho aparece em seguida com 26% e em último lugar está o ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital, dono de 11% da preferência do eleitorado paraibano.

Os números são claros e oferecem alguns pontos irrefutáveis de análise: imunizado tanto pelo governo, obviamente, quanto pela oposição, que evita bombardeá-lo, Cássio continua sendo o grande eleitor da política paraibana e, apesar de não colocar seu nome da disputa, surfa folgado na primeira colocação.
 

Segundo ponto: em que pese ser alvo de sistemática campanha de ataques contra sua imagem e gestão desde o primeiro dia de mandato e de protagonizar uma série de medidas antipáticas na fase inicial de seu governo, Ricardo tem mais do dobro da fatia que admite voto no candidato representante da oposição.

Terceiro, a candidatura do PMDB, o maior e mais emblemático partido oposicionista, até aqui não foi beneficiada diretamente pela permanente artilharia contra a atual gestão. Em alguma medida, a oposição até ter conseguido provocar avarias na imagem do governador, mas, paralela e estranhamente, não reverteu isso em votos ao seu favor, tanto que Cássio, aliado de Ricardo, está no topo da pesquisa.

 Ao grupo governista fica o dever de casa: afastar os agouros do rompimento e garantir a renovação de uma aliança que, em sendo mantida, se apresenta como um fantasma a assombrar o sonho da oposição voltar a despachar no Palácio da Redenção.
 

*Artigo publicado na Coluna do Correio, edição do dia 10/10/2013 (quinta-feira).

Leia Também