João Pessoa, 16 de agosto de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
estação cabo branco

Ministro do CGU abre IV HackFest em JP

Comentários:
publicado em 16/08/2018 às 18h39

Duzentos e cinquenta maratonistas vão participar do ‘IV HackFest + Virada Legislativa – Por uma sociedade Politicamente Participativa’. O evento foi aberto na tarde desta quinta-feira (16), no auditório principal da Estação Cabo Branco, em João Pessoa, e termina no domingo (19), com uma ampla e variada programação.

O procurador-geral de Justiça, Francisco Seráphico Ferraz da Nóbrega Filho, abriu os trabalhos e destacou a importância da tecnologia e da participação social no combate à corrupção. “Precisamos compreender esse cenário como uma oportunidade ímpar de avançar na qualidade e no tempo de respostas dos nossos serviços. Precisamos, cada vez mais, reinventar a Administração Pública para atualizá-la aos anseios sociais e ao compromisso das atribuições legais de cada órgão de controle. Esse é o grande desafio”, disse.

Ele falou do orgulho de a instituição promover um evento tão importante como o HackFest. “O Ministério Público da Paraíba se sente, não apenas orgulhoso, mas profundamente sensibilizado em realizar, participar e incentivar esse evento, utilizando, junto com a sociedade, as ferramentas geradas nesse apaixonante movimento tecnológico para vigiar bens públicos, combater a corrupção e, principalmente, formar cidadãos compromissados e agentes ativos de controle social”.

O chefe do MPPB também destacou e elogiou o compromisso dos participantes do evento. “Sinto-me feliz com o senso de responsabilidade cada vez mais aguçado e empolgado, porque é contagiante respirar esse clima, no qual jovens de todas as idades são desafiados a usar suas habilidades de gamers e programadores, suas inteligências refinadas e alegres, e sua criatividade produtiva e colaborativa em busca de um futuro melhor, mais justo e mais honesto”, falou.

Ao final de seu discurso, Seráphico agradeceu a todas as instituições parceiras pelo apoio e ao coordenador do Núcleo de Gestão do Conhecimento e Segurança Institucional do Ministério Público da Paraíba (NGCSI/MPPB), o promotor de Justiça Octávio Paulo Neto.

Várias autoridades prestigiaram o evento, dentre elas o vice-procurador da República, Luciano Maia; os membros do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Sílvio Amorim e Luiz Fernando Bandeira; o presidente da Associação Paraibana do Ministério Público e representante da Conamp, Francisco Bergson Formiga; os chefes do MPF e do MPT na Paraíba, Marcos Alexandre Queiroga e Carlos Eduardo Lima, respectivamente; a presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba, Maria Aparecida Gadelha; o ministro da Transparência e da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário; o presidente da Codata, Krol Remígio, representando o governador Ricardo Coutinho; o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Carlos Torres; o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo e o presidente da Câmara Municipal de João Pessoa, Marcus Vinícius.

Palestras

A abertura do HackFest contou com a palestra ministrada pelo jornalista Daniel Bramatti, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e editor do Estadão Dados, que mostrou como o jornalismo de dados ajuda no desenvolvimento. Para isso, usou como exemplo uma das matérias feitas pelo Estadão. A reportagem revela que a ignorância mata mais do que a falta de dinheiro e de saneamento básico, já que os dados revelam que a mortalidade infantil está diretamente associada à falta de estudos dos pais.

Segundo o especialista, o jornalismo de dados trabalha mais ou menos no caminho do que propõe os hackers, que é buscar respostas e soluções através da análise de dados.

O ministro da Transparência e da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, também proferiu palestra na abertura do evento.Ele falou sobre o uso de dados e da tecnologia para o controle social no combate à corrupção, mostrando ferramentas da CGU pelas quais os cidadãos podem ter acesso às informações públicas.

HackFest

O HackFest 2018 conta com uma superestrutura montada em uma área de 4.500m2, na Estação das Artes, anexo a Estação Cabo Branco para receber profissionais e estudantes de diversas áreas do conhecimento, com destaque para a área de Tecnologia da Informação.

Eles formarão equipes que vão participar, durante quatro dias, da maratona tecnológica – cujo desafio é criar ferramentas e aplicativos que incentivem o controle social sobre os recursos públicos e auxiliem no combate à corrupção – e da ‘Virada Legislativa’, uma novidade desta quarta edição que tem como objetivo estimular a elaboração de projetos de lei de iniciativa popular sobre temas de relevância para a população.

A programação do HackFest por mudanças está disponível em hackfest.com.br. Mais de 4.500 pessoas se inscreveram para participar das oficinas, palestras e painéis, que serão promovidos durante o evento. Conforme foi informado na pré-inscrição, o acesso às salas será feito por ordem de chegada e de acordo com a capacidade dos espaços.

Da quinta-feira até o sábado, serão realizadas 18 palestras e painéis, com 26 especialistas de várias áreas, tratando de assuntos relacionados ao combate à corrupção. Tecnologia, jornalismo de dados, educação, controle social, gestão pública, controle externo, ouvidorias, dados públicos, filosofia, ciência, gamificação, inteligência artificial e parlamento aberto serão alguns assuntos das exposições.

Serão oferecidas 31 vagas para as oficinas de Introdução à Linguagem Python, sendo 15 para a turma da sexta-feira (17) e 16 vagas para a turma do sábado (18), ambas serão ministradas das 9h às 11h. A primeira oficina ‘Inovando na Administração Pública com Design Thinking’ será ministrada na sexta-feira, com 15 vagas, e a segunda no sábado com 36 vagas, sempre no horário das 14h à 17h30.

MaisPB

Leia Também