João Pessoa, 11 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Reação

Comentários:
publicado em 20/09/2014 às 13h13

Na reta final do pleito na Paraíba, o projeto de reeleição do governador Ricardo Coutinho saiu da zona perigosa e dá evidentes sinais de crescimento. Essa é uma das percepções que se pode extrair da mais nova pesquisa do Correio/Souza Lopes na praça. Aliás, um quadro esperado e cantado.

Só o mais ingênuo dos observadores ou mais radical adversário não imaginaria que em algum momento a campanha do governador não avançaria. Nos números, Ricardo agora tem 35,3%. Nas ruas, percebe-se maior entusiasmo de sua militância. O guia deu uma guinada positiva e ajudou a melhorar os conceitos do governador.

A distância do senador Cássio Cunha Lima, primeiro colocado na disputa com 44,9%, ainda é grande. São nove pontos percentuais faltando apenas duas semanas do dia das urnas. Um desafio gigante no caminho do socialista que também precisa vencer a maior rejeição: 33,5% contra 25,5% do tucano.

Cássio impressiona porque, apesar de certa estagnação, apresenta uma confortável performance, na casa dos 45 pontos e na dianteira do processo, uma proeza para um candidato de oposição, sem os instrumentos e a estrutura convencionais de quem estar no poder, e alvo da pesada artilharia governista.

Fácil entender a liderança de Ricardo na Borborema (Cariri), onde com 46,2% vence Cássio (33,8%). Na região, Coutinho investiu pesado em estradas (Anel do Cariri) e alcançou 76,2% de aprovação de governo. Dispensa maior profundidade a liderança de Cássio no Agreste, influenciada por Campina Grande. Lá, ele tem 49,8% contra 29,2% de Coutinho.

Um dado merece atenção. Entre brancos, nulos e indecisos, há uma margem de 15,5% do eleitorado flutuando. E se essa fatia não decidiu até agora, é porque é exigente. É aí onde entra o diferencial da comunicação nos guias e debates. Conquistará esse eleitor quem apresentar mais capacidade de convencer pelo conteúdo e propostas.

Positivo – Ricardo mantém boa avaliação de governo. A sua gestão é aprovada por 56,7% dos entrevistados. Só 35,5% desaprovam o saldo administrativo apresentado por ele.

Negativo – Quem mais desaprova o jeito Ricardo de governar é a população do Agreste com 44,2%. A influência de Campina Grande, a principal cidade da região, explica.

Radiografia do Senado – Na estimulada, 33,6% dos eleitores estão entre branco, nulos e indecisos. O dado deixa a disputa em aberto, em que pese à folgada liderança de José Maranhão. Detalhes: Lucélio Cartaxo (PT) já é o segundo na Mata (20%) e na Borborema (13,8%); o melhor desempenho de Wilson Santiago (PT) é no Sertão (24,9%), sua região.

Lema – No núcleo petista, a palavra de ordem é fazer Lucélio Cartaxo avançar mais no Interior. Além de João Pessoa, todas as fichas jogadas nas mesas do Agreste e Sertão.

Olho no gato… – O time de Zé Maranhão sabe que não pode abrir a guarda em João Pessoa, onde Lucélio oferece muito perigo, e nem descuida de Wilson Santiago no Agreste e Sertão.

Dobradinha – Santiago, mais do que nunca, precisa colar na liderança de Cássio. No guia, e inserções no rádio e na televisão o bordão foi intensificado o bordão: “O senador de Cássio”.

Perseguição – O programa de Cássio aumenta o tom. Ontem, foi exibido comovente depoimento de uma professora de Guarabira, portadora de câncer, demitida por suposta perseguição.

Reforço – Já o guia de Ricardo renovou o apelo a João Pessoa, sua terra natal e principal base política. Assim como o de Cássio, enfatizou propostas de obras para a Capital.

Pregação – “É preciso que se dialogue com a sociedade. Isso é garantia da democracia participativa”. Do presidente do STF, Ricardo Lewandovski, ontem em João Pessoa.

Choque – “Eu estou esperando que a população reaja”. O comentário é do deputado Major Fábio (PROS), que exorta o eleitor a derrotar os candidatos tradicionais. Ele tem 0,5%.

Esperança – Dono de apenas 0,3%, Antônio Radical, candidato do PSTU, acredita que nas urnas apresentará votação superior à nova pesquisa devido à presença nos próximos debates.

Contestação – Tárcio Teixeira (PSOL) é outro que crê em melhor desempenho quando as urnas forem abertas: “A gente tá nas ruas e o que a gente sente é completamente diferente”.

Sobrevôo – Demorou, mas o helicóptero da PM, cuja licitação foi autorizada em 2012 pelo Governo, finalmente, pousou na Paraíba. Foi apresentado ontem… À15 dias da eleição.

PINGO QUENTE “Isso só é bom para os adversários”. Do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), evitando alimentar a crise gerada pelas críticas de Ricardo à Dilma e ao PT.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba.
 

Leia Também