João Pessoa, 01 de julho de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Magistrado, colaborador do Diário de Pernambuco, leitor semiótico, vivendo num mundo de discos, livros e livre pensar. E-mail: adhailtonlacet123@gmail.com

O ocaso de uma livraria

Comentários:
publicado em 01/07/2021 às 07h24
atualizado em 01/07/2021 às 06h15
A- A+

Boa parte dos livros jurídicos que li durante e depois do curso de Direito foram adquiridos nas Livraria Acadêmica, do saudoso advogado Geraldo Freire, e Livraria do Fórum, do sempre atencioso Francisco de Assis (foto), ou simplesmente Assis da livraria, figura humana de boa cepa. A primeira há muito já cerrou suas portas e o prédio deu lugar a um anexo da Assembleia Legislativa. A segunda, para nossa tristeza, também vai fechar.

Como o próprio nome diz a livraria de Assis foi instalada no Fórum Cível de João Pessoa no ano de 1985, quando o Tribunal de Justiça da Paraíba era presidido pelo Desembargador Rivando Bezerra Cavalcante e o Fórum tinha como diretor o então juiz José Hardman Norat. Naquela época se limitava a duas estantes estrategicamente colocadas no átrio do antigo fórum que funcionava em um prédio situado na Rua Rodrigues de Aquino, hoje sede do Ministério Público Estadual. Os chamados operadores do direito se nutriam com os livros oferecidos de forma convincente e educada pelo habilidoso vendedor.

Num misto de surpresa e tristeza fiquei ao ser informado pelo próprio Assis que encerraria sua atividade de livreiro, após trinta e dois anos atuando dentro do Fórum Cível. Ali já encontrei as estantes despidas dos livros e um ar de melancolia. O motivo, ele explicou: a falta de compradores; a diminuição do fluxo de pessoas nos corredores forense e o PJe!

Pje? Como o processo judicial eletrônico interferiu na queda das vendas? Mais uma vez Assis explicou: com o Pje o advogado não vem mais ao Fórum e a internet facilitou a pesquisa jurisprudencial e doutrinária. Vender livros é negócio e, como tal, é preciso ter lucro.

Livraria será uma página virada na vida de Assis. Mudou de ramo e agora está negociando com caprino e seus derivados, em bem montada loja na garagem de sua casa, no bairro do Altiplano. Boa sorte, amigo. Do bode só se perde o berro.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Hora H: no cardápio das alianças de 2022, a salada das incoerências

EDITORIAL - 28/01/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas