João Pessoa, 23 de junho de 2016 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
REFERENDO

Cameron vota sobre a permanência do Reino Unido na UE

Comentários:
publicado em 23/06/2016 às 09h41
atualizado em 23/06/2016 às 06h43
A- A+

O primeiro-ministro britânico David Cameron votou na manhã desta quinta-feira (23) no referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia (UE).

Cameron, que convocou o referendo e defende a permanência britânica na UE, votou em uma seção eleitoral do centro de Londres, ao lado da esposa Samantha.

O início da votação, às 7h locais (3h de Brasília), foi marcado pela chuva na capital inglesa. Os eleitores podem votar até as 22h (18h de Brasília).

As pesquisas mostram uma disputa apertada entre os partidários da permanência na UE e as pessoas que desejam a saída do bloco.

Para o referendo histórico, sem precedentes na UE, estão convocados 46,5 milhões de eleitores.

Disputa acirrada
“A campanha do referendo foi penosa, confusa, os dados não são claros. Todos mentiram, na minha opinião”, afirmou à AFP em Londres uma eleitora que se identificou apenas como May.

Os debates acalorados revelaram uma profunda brecha na população britânica, entre os que se beneficiam da livre circulação de mercadorias e capitais e os que consideram que o Reino Unido deve recuperar sua soberania, principalmente por causa da imigração.

Os partidários da permanência afirmam que depois de 40 anos dentro do mercado único europeu, sair seria muito caro e traumático. Os defensores do abandono ao projeto europeu, opção conhecida como Brexit, consideram que esta é uma oportunidade única, que também poderia estabelecer precedentes.

“Seria um desastre para a economia a saída. Quero que exista o máximo de cooperação internacional, trabalho para uma empresa com representações em toda Europa”, declarou à AFP Peter Davies, de 55 anos, em Londres.

“Vou votar pela saída”, afirmou Joan, que se recusou a revelar o sobrenome.

“O principal problema é a imigração sem controle. Seremos os primeiros a sair, mas acredito que outros países europeus nos seguirão”, completou.

G1