João Pessoa, 26 de julho de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Rômulo acena

Comentários:
publicado em 12/07/2011 às 09h24
A- A+

Além do referendo do grupo Cunha Lima ao deputado federal Romero Rodrigues, a convenção municipal do PSDB em Campina Grande também serviu para revelar um novo ingrediente na pré-campanha de 2012, aparentemente fora do script.

O vice-governador Rômulo Gouveia se despiu do estilo ponderado, marca peculiar de sua trajetória, e se imiscuiu com vigor no debate sucessório. Ou pelo menos mostrou que não quer ser uma peça completamente fora do processo.

Ao escolher o discurso frontal contra Veneziano, associando o prefeito a milícias de traficantes, Rômulo, por impulso ou estratégia, buscou restabelecer a polarização com o peemedebista na cidade, reeditando os embates passados.

Ele saiu da toca e se colocou novamente na trincheira, contrariando quem achava que 2012 não estava mais nos seus planos. Ficou claro: o sonho de ser prefeito de Campina ainda é acalentado em berço esplêndido por Rômulo.

Uma constatação que bate com uma informação registrada neste espaço formulada por um freqüentador assíduo dos bastidores da política campinense. Rômulo não vai se escalar, mas também não vai se anular ou se retirar completamente do páreo.

Se porventura for chamado, não se demora a topar a parada. Afora o contido desejo, o gordinho contabiliza um elemento ao seu favor. Uma hipotética vitória de Romero beneficiaria o suplente Major Fábio (DEM), “fantasma” que o bloco ricardista não gosta nem de imaginar a possibilidade de “ressurreição”.

Reação –
O prefeito Veneziano Vital (PMDB) respondeu às insinuações de seu rival Rômulo. “Não me surpreende. A história dessas pessoas é de calúnia”.

Na Justiça –
Veneziano preferiu não se deter a acusação de ligações com traficantes de Campina. “Eu farei a interpelação judicial para que ele possa provar”.

A hora de cada um –
Ao descartar a candidatura do filho Diogo, focado na qualificação profissional e na atividade empresarial, o ex-governador Cássio Cunha Lima tentou ser pedagógico. “Eu fui prefeito aos 25, mas a conjuntura de hoje é diferente do passado. Diogo (26) sabe que Romero Rodrigues é o candidato mais preparado neste momento”.

Um pouquinho de xylocaina  –
O deputado João Gonçalves (PSDB) foi o primeiro a externar estranhamento pela ausência do senador Cícero Lucena, presidente estadual do partido, na convenção tucana em Campina. “Ele deveria ter ido”. Com dente doendo e tudo, João?

Ombro amigo de Ruy –
Se Cícero faltou ao evento, pelo menos o cicerista deputado Ruy Carneiro (PSDB) foi solidário a Romero Rodrigues e ao Grupo Cunha Lima, encarados por Veneziano como um retrocesso. “As grandes obras de Campina foram realizadas por Ronaldo e Cássio”.

Shakespeare –
Na nossa ágora, há quem cogite: a linha de ausência e presença por aqui é mais tênue que a vã filosofia dos interesses empresariais possa imaginar.

Munição –
O deputado João Henrique (DEM) encontrou um cartucho para acertar o alvo da presidência da CCJ: o voto contrário à permuta da Acadepol.

Associação –
Do procurador Oswaldo Trigueiro, que registrou a chapa ontem, sobre a união de Janete Ismael e o concorrente Alexandre César. “Não foi muito feliz”.

Efeitos –
Se vingar a tese de Luiz Couto na vice de Agra, defendida pelo petista Antônio Barbosa, Jeová Campos passaria a ter chance de assumir em Brasília.

Pela unidade –
Em Patos, o ex-deputado Dinaldo Wanderley (PSDB) quer unir os segmentos da Oposição contra o grupo do prefeito Nabor (PMDB).

Perdendo terreno –
A “invasão” das associações comunitárias de Mangabeira no Palácio em favor do shopping, ontem, deixa a Oposição numa sinuca de bico.

No Senado –
O senador Wilson Santiago (PMDB) está propondo uma sessão especial no dia oito de agosto para homenagear a data (5) de fundação da Paraíba.

Passado e presente –
“Foram cinco expedições, até que fosse possível aos colonizadores vencer a resistência dos potiguares”, frisou. De resistência, Santiago entende.

Guerra no Conde –
Primeiro, o prefeito Aluísio Régis provocou: “Ele faz jogo de cena”. Branco Mendes (DEM) devolveu: “Ele treme todo com minha candidatura”.

Consignado –
O prefeito Luciano Agra (PSB) lança hoje uma linha de crédito especial do Empreender-JP para os servidores. Juros de 0,9% ao mês.

PINGO QUENTE – “O que mais você quer saber, cavalheiro”. Do prefeito de Santa Rita, Marcus Odilon, meio impaciente com as perguntas do insistente repórter Henrique Lima, do Correio Debate (rádio).

*Reprodução do Correio da Paraíba

Leia Também