João Pessoa, 24 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Elemento chave

Comentários:
publicado em 08/02/2012 às 15h24

A névoa da disputa interna travada no bloco governista em João Pessoa tem encoberto das vistas dos meteorologistas da política local o real significado das eventuais mudanças climáticas que podem ocorrer quando março chegar.

É desse mês, data (18) do encontro interno do PT, que depende boa parte das previsões da eleição na Capital. O resultado do encontro terá impacto de trovão para sacramentar ou mudar as estratégias em curso. Dentro e pra fora do PT.

Vencendo a tese de candidatura própria, o cenário muda consideravelmente. A oposição se fortaleceria e ampliaria suas chances de vitória passando a contar com a candidatura do partido detentor do maior tempo individual do guia eleitoral.

O bloco de Ricardo também sentiria, inevitavelmente, os reflexos. Além de perder espaço no guia, teria que conviver com uma postulação nova, diferente das manjadas candidaturas de Maranhão e Cícero, donos de gorda rejeição. Um contrapeso e tanto ao discurso do projeto girassol.

A prudência manda que o PSB e sua base aliada, principais beneficiários da derrocada da tese de candidatura própria, mirem nos passos da disputa interna do PT. Adianta pouco queimar neurônios agora pra identificar qual a melhor candidatura girassol. As duas dependem muito de qual será a cena final do folhetim petista.

Peso
Nos bastidores, já é grande a movimentação, assédio e procura dos cabos eleitorais aos sete mil filiados do PT, aptos a votar no encontro interno da legenda em 18 de março.

De ouro
A mais de um mês do embate, o leilão já foi aberto. Petistas que exercem influência sobre votos de filiados estão pesando ‘ouro’ e aproveitam para valorizar o passe.

Pra não ficar devendo favor
Vermelho petista defensor da aliança com o PSB, contactado pela Coluna, jurou por todos os santos que ala do deputado Luiz Couto decidiu lutar pela vitória no encontro sem ajuda e interferência dos Girassóis no processo. Querem ter moral e crédito para em junho cobrar a fatura da vaga de vice, sem saldo devedor no Jardim.

Preparativos para o ‘pulo do gato’
Os coutistas já estudam internamente nomes a serem apresentados no futuro como alternativa para composição com a candidatura do grupo ricardista. Prevalecendo o discurso de que o projeto está acima das pessoas, Antônio Barbosa é o preferido.

Bloco na rua
A caravana petista que quer a aliança com o PSB desembarca sexta no Hotel Royal, às 10h, onde lança manifesto de apoio à pré-candidatura de Estelizabel Bezerra. Ricardo Coutinho e o prefeito Agra confirmaram presença, além da própria Estelizabel, é claro.

A verdade
De Paulo Roberto Pessoa (paulopessoa52@hotmail.com) sobre o ‘nego’ do deputado Edmilson Soares (PSB), que recusa o título de padrinho de Cristiano Souto, no IPM…

A estréia
“Não é verdade que Cristiano Souto já trabalhava no IPM. Ele chegou na administração de Edmilson, apadrinhado por ele e por Dra. Laura Farias, então chefe jurídica…”.

A brecha
“… Quando a Dra. Laura, que passou a mandar no IPM mais que o superintendente e, já com muito prestígio com o prefeito Ricardo, foi alçada à Superintendência da Emlur…”.

A testemunha
“… O jovem e inexperiente Dr. Cristiano assumiu o cargo exercido pela nobre Laura Farias”. Palavra do então diretor de previdência do IPM na época dos fatos relatados.

O detalhe
Independente da indicação política, que o deputado Edmilson Soares insiste em negar, espera-se que o doutor Cristiano faça um trabalho à altura do cargo. Não do padrinho.

Boquinha
Até hoje ninguém em Cabedelo sabe qual real serventia dos oito cargos, com salários de R$ 8 mil, criados na surdina pelo guloso presidente da Câmara, Ricardo Félix (PT).

Em campo
Enquanto Daniella Ribeiro (PP) curte a nomeação do irmão e Romero Rodrigues (PSDB) tenta se consolidar, Tatiana Medeiros (PMDB) já prioriza o corpo-a-corpo.

Na cola
O deputado Manoel Júnior (PMDB) teve longa conversa ontem, em Brasília, com Michel Temer. Uma semana depois da estada de Maranhão no gabinete do cacique.

Rindo à toa
O deputado Benjamim Maranhão (PMDB) foi visto andando no centro da Capital. Perguntado sobre a pesquisa que definirá o candidato do PMDB, não segurou o sorriso.

Pirraça
O suplente Armando Abílio (PTB) só fez o sacrifício de assumir na Câmara por parcos dois meses para não permitir a ascensão de Flaviano Quinto (PSD), dizem na ágora.

PINGO QUENTE“Divisão pelo o que não é seu?”. Do ex-governador José Maranhão (PMDB) condenando os petistas que divergem da direção e brigam pela aliança com o PSB.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba
 

Leia Também