João Pessoa, 28 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 01:09 - 0.4 | 07:34 - 2.4 | 13:49 - 0.4 | 20:04 - 2.2 Dólar 3,31 - Euro 3,76

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Desde 1993 exerce as funções de Diretor Executivo da AETC-JP. Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Hoje, em Brasília

Comentários:
publicado em 01/07/2012 às 12h33
A- A+

Não é sobre alguma autoridade paraibana que hoje vai estar em Brasília que pretendesse aqui escrever. Não!

 A quem pretendo reportar-me e que vai estar hoje em Brasília, honrosamente (para nós paraibanos) muito bem representando a Paraíba, é um jovem  paraibano de Campina Grande e sobre ele – e sobre essa viagem – quase não saiu notícia nos veículos de comunicação desta nossa terra tão abençoada pela natureza!  (O noticiário está bem mais preso ao segmento político e ao policial ou de acidentes).

Pessoalmente não conheço esse quase menino e especial paraibano em relação ao qual neste domingo li (em  um jornal e em um portal) que foi um dos vencedores do prêmio “Experiências Educacionais Inclusivas – a escola aprendendo com as diferenças”, promovido pelo Ministério da Educação. Na conclusão dessa notícia tem a informação de que “a cerimônia de premiação acontece em Brasília nos dias 2 e 3 de julho”.

O nome deste nosso representante, que vai estar em Brasília hoje e/ou amanhã, é Kyeves Siqueira Silva, estudante/aluno do 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamental Alceu Amoroso Lima, que funciona no bairro das Malvinas, em Campina Grande.

“Kyeves possui deficiência auditiva e estuda há seis anos naquela escola estadual. Na redação que inscreveu no prêmio, o aluno relata a sua vida na escola e a superação na luta para conseguir dar prosseguimento aos estudos”. 

Ele próprio, Kyeves, diz: “Hoje eu posso dizer que sou um jovem educado pela escola, eu compreendo que a melhor forma de ensino para um estudante surdo, seja numa escola normal ou especial, depende da habilidade de cada um de comunicar-se. Por isso, eu vou à luta pelos meus direitos e estou estudando bastante para futuramente ser um trabalhador para ajudar minha mãe”.

Minha esposa (Ana) trabalha na FUNAD como psicopedagoga que é, atuando na Assessoria Especial daquela Fundação, que, inclusive, acompanha “cases” assim. E ela, tenho certeza, também não tomou conhecimento de um caso tão importante como o deste paraibano que está entre os vencedores de um prêmio de âmbito nacional. Faltaram notícias a respeito, porque a notícia que sempre tende a muito repercutir é a negativa, a do que é ruim, a da violência… ou a da política partidária! Fatos positivos, exemplos tão bonitos, como o deste portador de deficiência auditiva, Kyeves Siqueira Silva, sempre têm pouca divulgação. Por que?!…
 
 

Leia Também