João Pessoa, 28 de novembro de 2014 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
QUEBRA-QUEBRA

Sessão em Câmara acaba em quebradeira após discussão para presidente

Comentários:
publicado em 28/11/2014 às 18h37

Uma confusão marcou a sessão plenária da Câmara Municipal de Itaperuçu, na Região Metropolitana de Curitiba, na tarde de quinta-feira (27). O diretor da Casa, Pedro Aparício, contou ao G1 que a confusão começou após a leitura de um requerimento sobre um estudo de uma nova eleição para a presidência da Casa. O documento foi apresentado por três vereadores e uma vereadora, integrantes de um grupo que perdeu a eleição em março deste ano para Pio Moraes de Lara (PP), que deve assumir o cargo em janeiro de 2015. O quebra-quebra foi registrado pelas câmeras de monitoramento.

As imagens mostram quando Pio Moraes se revolta com o conteúdo do requerimento. Primeiro, ele dá um soco na mesa e, em seguida, a derruba. Na sequência, outras pessoas que estavam do outro lado, derrubaram a outra mesa. Algumas cadeiras também foram lançadas em direção à mesa diretora. 

Assista o vídeo

O diretoria disse ainda que registrou um Boletim de Ocorrência na delegacia da cidade na manhã desta sexta-feira (28). A Câmara está lacrada para a realização de uma perícia. Pedro explicou que o requerimento não seria votado na quinta. Antes de ir ao plenário, o documento ainda precisa passar pela assessoria jurídica da Câmara. "Eu considero este caso como um despreparo para a vida pública, além de, claro, um desrespeito com os eleitores em geral", argumentou Aparício.

Eleição antecipada

A eleição da presidência da Câmara de Itaperuçu foi antecipada para março por questões do regime interno, segundo o diretor. Além de Pio Moraes, também foi eleito como vice-presidente o vereador José Augusto Liberato (Solidariedade). Liberato também deve atuar na função em 2015. Contudo, no dia 16 de outubro, ele foi preso suspeito de ter falsificado o Diário Oficial da cidade, para criar duas vagas de parlamentares. Uma dessas vagas foi usada por ele próprio que, desde 2012, ocupa o cargo. Na verdade, ele não foi eleito, ficou apenas como suplente. A outra vaga foi ocupada pelo vereador José de Freitas (PRB).

No dia 6 de novembro, Liberato reassumiu o cargo. O retorno dele se deve a uma liminar concedida pelo juiz Marcelo Teixeira Augusto, do Fórum de Rio Branco do Sul, que também fica na Região Metropolitana. O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) informou que o inquérito está com a Polícia Federal (PF) e que, ainda, não existe uma ação na Justiça Eleitoral sobre o caso.

G1

Leia Também