João Pessoa, 24 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Ricardo e a segurança

Comentários:
publicado em 26/09/2013 às 08h42

A crítica superficial à segurança pública da Paraíba feita pelo senador Cássio Cunha Lima, uma personalidade política de relevo inquestionável, leva à ressurreição do debate e avaliação das políticas implementadas na área pelo atual governo. Nada mais natural porque saiu da boca de um aliado do governador.

Perspicaz, a oposição pegou o mote e aproveitou para tirar sua casquinha. É um assunto que não se pode fugir, porém deve ser levado a sério e não pode virar mote de análises impregnadas pelo viés partidário e no calor das emoções de um ano pré-eleitoral. Até em respeito à sociedade.

A Paraíba está um mar de rosas? Não, mas já esteve em situação mais grave. A segurança é um dos nossos maiores desafios, principalmente por sermos, na Federação, um ente pobre e assoberbado de tantas demandas, diferente de outros Estados, cujos cofres cheios oferecem possibilidade de pulverização dos grandes investimentos.

No governo Ricardo Coutinho existem avanços nesse setor. Há agora uma política de metas organizada e planejada. E isso, diferente de obra de cal e pedra, não se pega. Os números da contenção da curva da criminalidade são frios. O que pesa, marca e ganha repercussão mesmo é o impacto de um assalto ou a comoção de um homicídio.

A Polícia ganhou mais condições materiais de trabalho, apesar dos reclames salariais. As Unidades de Polícia Solidária minimizaram o poder do tráfico e favoreceram a repressão aos crimes em bairros historicamente dominados. Basta ouvir depoimentos de moradores do Alto do Mateus, São José, Mandacaru, Renascer…

Estamos longe do ideal, é bem verdade, o que sinaliza ao governo muito ainda a ser realizado porque a violência, assim como o tempo, não tira férias. Mas muito já tem sido feito. Só que o crime abortado pela prevenção, por ser invisível, não vira manchete.
 

*Artigo publicado na coluna do Correio da Paraíba, edição do dia 25/09/2013 (quarta-feira).

Leia Também