João Pessoa, 29 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 00:36 - 0.3 | 06:56 - 2.5 | 13:11 - 0.2 | 19:34 - 2.3 Dólar 3,26 - Euro 3,65

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Injeção em Veneziano

Comentários:
publicado em 29/04/2014 às 17h46
A- A+

Depois de muito suspense e de intensa guerra fria nos bastidores, PT e PMDB, finalmente, baixaram as armas. A reunião de ontem entre a direção peemedebista e a comissão formada pelos petistas enterrou as escaramuças, desconfianças e mau humor de ambos os lados.

O maior gesto do armistício partiu do presidente do PT, Charlinton Machado, ao afirmar que a aliança, em nome do projeto nacional, é incondicional e independe da presença do partido na chapa a ser encabeçada pelo ex-prefeito Veneziano Vital. O sinal verde deixa o PMDB à vontade para costurar a melhor composição possível.

O PT entendeu a argumentação da cúpula peemedebista, que não vetou nomes, mas defendeu a necessidade de preencher a vaga do Senado – cobiçada pelos petistas – com uma representação dotada de densidade eleitoral e cuja indicação pudesse possibilitar a agregação de outras forças.

Nas mãos de Veneziano agora a prospecção de uma chapa competitiva e eclética, porque a composição com o PT já viabiliza, de forma generosa, tempo de guia eleitoral, uma ferramenta importante para o convencimento do eleitorado, mas nem sempre decisiva para vencer uma eleição.

Na prática, o avanço na consolidação dessa “homeopática” aliança, no dizer do senador Vital do Rêgo, chega em muito boa hora. No momento em que Veneziano estacionado na casa dos 10%– segundo a pesquisa Souza Lopes/Correio – precisa de impulso para crescer e ganhar perspectiva no processo.

Em Campina Grande, ele já provou obstinação e perseverança, características que precisará mais do que nunca para alcançar um governador (27%) em campanha pela reeleição e um ex-governador na dianteira (42%) da disputa.

Dedo no… – Filiado de longas datas, coube ao deputado Gervásio Filho (PMDB) expressar na reunião com a comissão do PT um sentimento generalizado no seu partido, mas contido por uma questão de diplomacia.

…Suspiro – Se o PT tem um nome (Lucélio Cartaxo) competitivo, mas não faz a indicação por estratégia interna, abra espaço para o PMDB buscar alternativas viáveis em outras legendas, cravou Gervasinho.

Controle de velocidade e prevenção – As primeiras investigações da Polícia apontam: o motorista do carro que colidiu e matou duas pessoas numa moto, na madrugada de sábado, na Epitácio Pessoa, não estava embriagado. O excesso de velocidade teria sido a causa, o que confirma a pertinência da campanha no trânsito deflagrada pela Prefeitura da Capital.

Diálogo – Após reunião em que PT e PMDB bateram o martelo, sem imposição na chapa, Nadja Palitot (PT), cotada ao Senado por compensação à retirada de seu nome, foi ao gabinete de Cartaxo. O que trataram?

Romaria – Um dia depois da divulgação da pesquisa Souza Lopes/Correio, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), líder disparado na sondagem, atendeu a uma procissão de deputados e pré-candidatos em Campina Grande.

Endereço – José Aldemir (PEN), Edmilson Soares (PEN), Carlos Dunga (PTB) e João Henrique (DEM) passaram pela tradicional casa de Ronaldo e Glória, quartel general do clã Cunha Lima nos embates eleitorais.

Acordo – Os deputados Manoel Júnior (PMDB) e Wellington Roberto (PR) fecharam pacto: um vota no outro na hipótese de um deles vir a aceitar entrar na briga pelo Senado na chapa a ser encabeçada por Vené.

Em campo – Com o nome cogitado ao Senado nas últimas horas, Manoel Júnior (PMDB) tratou diretamente do tema ontem com um partido, durante o almoço. A legenda ainda é mantido em segredo pelo deputado.

Pergunta-se – Em tempos de discurso de desprendimento, por que Wilson Santiago (PTB) não abre mão da candidatura de Wilson Filho, Cássio de Pedro Cunha Lima e Veneziano da mãe, dona Nilda Gondim (PMDB)?

Estudando – O suplente de deputado federal Leonardo Gadelha (PSC) avalia convite de Veneziano, de quem já recebeu elogios públicos, para a chapa majoritária. Vai levar a proposta para avaliação do seu partido.

Dissidência -O deputado Antônio Mineral continua ignorando o PSDB. Quinta passada, ele recebeu com festa o governador Ricardo Coutinho em Areia de Baraúna, administrada pela sua esposa Dequinha Mineral.

Enigmático – De regresso à Câmara de João Pessoa marcado para hoje, após três meses de ausência, o vereador Fernando Milanez (PMDB) reestréia com uma filosofia: “Volto livre, leve e solto”! O que ele quis dizer?

Adesão – Enquanto o PT empareda Pollyana Dutra, de Pombal, Aldineide Saraiva (de São José do Brejo do Cruz), prefeito do PMDB, corre pros braços de Ricardo Coutinho. Sem medo de ser feliz… E nem de ser punido.

PINGO QUENTE“Pesquisa não vai acabar com o meu sonho”. Do deputado Major Fábio (Pros), último colocado na Souza Lopes/Correio, apostando em crescimento nas próximas sondagens.

*Coluna publicada no Correio da Paraíba, edição do dia 29/04/2014 (terça-feira).

error: Conteúdo protegido!