João Pessoa, 25 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Simbologia

Comentários:
publicado em 22/07/2014 às 18h33

Menos pelo modesto potencial eleitoral, muito mais pela força simbólica. A defecção pública da ex-secretária de Finanças do Estado, Aracilba Rocha, é um fato político, no mínimo, desconfortável para a campanha do governador Ricardo Coutinho, a quem a engenheira serviu devotadamente durante quase uma década.

Em 2010, Aracilba atuou no time de frente que trabalhou e ajudou a alçar Ricardo ao mais alto posto da hierarquia estadual, uma previsão fora do horóscopo dos setores majoritários da classe política e da comunicação naquele emblemático ano em que o socialista suplantou o favoritismo de José Maranhão.

De conhecido estilo despojado e espontâneo, Aracilba fazia questão de “cuidar” de Ricardo na rotina agitada da eleição estadual passada. De tão dedicada, às vezes até exagerava. Há depoimentos de quem lhe viu em algumas ocasiões botar o almoço do então candidato na mesa nas andanças Paraíba afora.

No governo, foi operosa auxiliar e abnegada defensora da gestão. Comandou uma das pastas mais delicadas e espinhosas de uma administração que, a duras penas, conquistou o equilíbrio fiscal e tirou a Paraíba da linha vermelha do comprometimento dos recursos com folha de pessoal. Comprou muitas brigas e abriu frentes.

A razão do seu afastamento de Ricardo não se deu somente pela preterição na pretensão de contar com algum nível de reciprocidade do seu líder no acalentado projeto de disputar uma vaga na Assembleia, mas pela forma de isolamento a que foi condenada pelo crime de ousar insistir num caminho diferente da orientação do chefe.

Portanto, pela história pública e superação pessoal, Aracilba não pode entrar na vala comum das corriqueiras adesões anunciadas todos os dias pelas diligentes assessorias dos candidatos ao governo. A sua ruptura é menos um tijolo de outros tantos da obra que elegeu Ricardo e agora serve à construção do projeto adversário.
 

Leia Também