João Pessoa, 28 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 01:09 - 0.4 | 07:34 - 2.4 | 13:49 - 0.4 | 20:04 - 2.2 Dólar 3,30 - Euro 3,75

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Detalhes

Comentários:
publicado em 08/08/2014 às 11h13
A- A+

Na música de Roberto Carlos, minúcias são relembradas para representar momentos, gestos e características difíceis de esquecer. Os detalhes são mesmo assim. Ainda que pequenos podem simbolizar algo muito maior. Na gestão pública, mal comparando, a coisa também é por aí.

Nem só por obras faraônicas e dispendiosas espera a população. O cidadão quer ações e mudanças que facilitem seu cotidiano, geralmente piorado pela ineficiência de quem deveria lhe oferecer facilidades para superar toda a pesada labuta que o homem de bem no Brasil enfrenta para sobreviver, empreender e, enfim, tocar a vida.

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, parecer ter percebido isso ou sido acertadamente orientado nesse propósito. A iniciativa, já perceptível, de startar mudança da sofrível e “literalmente” apagada iluminação da cidade é um acerto. Andar na Capital à noite é uma atividade de risco, por isso mesmo evitada por evidente precaução.

O que temos hoje em dia é um arremedo amarelado que atemoriza o morador e estimula o bandido. Nossa iluminação atual, além de fraca, permite uma sensação de breu em ruas e avenidas. Nos locais que já passaram pela troca das lâmpadas (a João Machado, por exemplo), a diferença é clara. Um item a mais de segurança.

O projeto de jardinagem em curso em vias importantes também merece um olhar especial. Não dá pra falar e nem vender João Pessoa como cidade verde com canteiros abandonados e praças entregues ao mato. Promover a zeladoria é uma ação simples, mas empresta, ao mesmo tempo, beleza, arborização e uma aura de cuidado.

Elegi, de propósito, duas ações modestas para estimular a atual gestão a continuar cuidando do básico. São detalhes que podem até não dar votos, segundo a lógica política em voga, mas dão grande diferencial; à cidade e ao gestor. Por mais que alguns minimizem e tentem fazer esquecer, como canta Roberto.

*Artigo publicado na coluna do jornalista no Correio da Paraíba, edição do dia 07/08/2014 (quinta-feira).

Leia Também