João Pessoa, 30 de setembro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
desentendimento

Índia e Paquistão trocam insultos na ONU

Comentários:
publicado em 30/09/2018 às 09h30
A ministra das Relações Exteriores da Índia, Sushma Swaraj, discursa na 73ª Assembleia Geral das Nações Unidas em 29 de setembro de 2018, nas Nações Unidas em Nova York

A Índia e o Paquistão trocaram insultos nas Nações Unidas neste sábado, depois que os planos para um raro encontro entre seus ministros das Relações Exteriores em Nova York fracassaram.

A Índia cancelou as negociações oferecidas pelo novo primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, após um ataque que, segundo a ministra das Relações Exteriores, Sushma Swaraj, matou três soldados indianos.

Dirigindo-se à Assembleia Geral das Nações Unidas, a ministra das Relações Exteriores da Índia negou que seu governo tenha procurado um pretexto para inviabilizar a oferta de sentar-se com seu colega paquistanês Shah Mehmood Qureshi.

“Somos acusados ​​de sabotar o processo de conversas”, disse. “Isso é uma mentira completa”.

Swaraj criticou o Paquistão por oferecer “terrenos propícios ao terrorismo” e um “porto seguro” para Osama bin Laden, responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001.

“O Paquistão glorifica os assassinos. Recusa-se a ver o sangue de inocentes”, disse.

A Índia há muito tempo acusa o Paquistão de armar grupos rebeldes na Caxemira, um território do Himalaia dividido entre os dois países, mas reivindicado por ambos.

O chanceler paquistanês reagiu dizendo que a Índia cancelou as negociações três vezes por “motivos frágeis”.

“Eles preferiram a política à paz. Eles usaram o pretexto de selos emitidos meses atrás de um ativista da Caxemira e descrevendo graves violações dos direitos humanos, incluindo vítimas de armas, como uma desculpa para desistir das negociações”, disse Qureshi.

O Paquistão emitiu recentemente selos postais de Burhan Wani, um carismático comandante militante da Caxemira morto por tropas indianas em julho de 2016, cuja morte desencadeou uma onda de protestos violentos no território.

A Índia tem cerca de 500 mil soldados na parte da Caxemira que controla, onde grupos armados lutam pela independência ou uma fusão com o Paquistão.

AFP

Leia Também