João Pessoa, 03 de julho de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
EM 2017

Brasil ganhou 7 mil novos milionários, diz estudo

Comentários:
publicado em 03/07/2018 às 11h50

Em 2017, 7 mil brasileiros entraram para o grupo dos que possuem fortuna acima de US$ 1 milhão, segundo um relatório sobre riqueza mundial da consultoria Capgemini antecipado para o G1. O número de milionários cresceu 4,25%, passando de 164,5 mil pessoas para 171,5 mil.

O estudo considera os chamados HNWIs (high net worth individuals, em inglês), que possuem patrimônio maior que US$ 1 milhão, excluindo a residência de moradia, artigos colecionáveis e bens de consumo duráveis.

Somada, a riqueza deste grupo no Brasil foi de US$ 4,5 trilhões no ano passado, um crescimento de 8,2% em relação a 2016. Apesar disso, o crescimento das fortunas brasileiras desacelerou no último ano. Entre 2015 e 2016, o patrimônio dos super-ricos havia subido mais, em 12,7%.

O crescimento robusto do Brasil puxou o número total de super-ricos na América Latina, segundo o estudo da Capgemini. O continente concentra 28% da riqueza dos milionários, embora responda por apenas 8% do número de indivíduos nesta condição.

Enquanto isso, a desigualdade no país cresceu no 1º trimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo pesquisa divulgada em maio pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV). Os 20% mais pobres tiveram queda real de 5% na renda média mensal, enquanto os 20% mais ricos tiveram aumento de 10,8%.

E o aumento das fortunas contrasta com o crescimento tímido da economia brasileira, que demora para se recuperar da recessão. O Produto Interno Bruto (PIB) saiu do vermelho em 2017, mas o crescimento foi de 1%, em valores correntes de R$ 6,6 trilhões.
Somada, a riqueza deste grupo no Brasil foi de US$ 4,5 trilhões no ano passado, um crescimento de 8,2% em relação a 2016. Apesar disso, o crescimento das fortunas brasileiras desacelerou no último ano. Entre 2015 e 2016, o patrimônio dos super-ricos havia subido mais, em 12,7%.

O crescimento robusto do Brasil puxou o número total de super-ricos na América Latina, segundo o estudo da Capgemini. O continente concentra 28% da riqueza dos milionários, embora responda por apenas 8% do número de indivíduos nesta condição.

Enquanto isso, a desigualdade no país cresceu no 1º trimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo pesquisa divulgada em maio pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV). Os 20% mais pobres tiveram queda real de 5% na renda média mensal, enquanto os 20% mais ricos tiveram aumento de 10,8%.

E o aumento das fortunas contrasta com o crescimento tímido da economia brasileira, que demora para se recuperar da recessão. O Produto Interno Bruto (PIB) saiu do vermelho em 2017, mas o crescimento foi de 1%, em valores correntes de R$ 6,6 trilhões.
G1

Leia Também