João Pessoa, 19 de Abril de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Montes Claros

Jornalista acusado de estupro na Câmara é indiciado

Comentários:
publicado em 19/04/2018 às 18h31

A Polícia Civil indiciou um jornalista de Montes Claros por crime de estupro contra uma colega de trabalho na Câmara Municipal da cidade. O ex-chefe do setor de comunicação da Câmara foi denunciado pela vítima, que ocupa cargo de assessora, por abusos que teriam ocorrido no dia 07 de fevereiro deste ano. O inquérito da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, que investigava o caso, foi encerrado nesta quinta-feira (19) e entregue à Justiça para andamento do processo.

No inquérito, a Polícia Civil diz que o acusado teria “agarrado a vítima de 24 anos, por trás, passando as mãos por sua barriga e seios, e ainda teria dado uma leve ‘chupada’ em seu pescoço”, relata a Polícia Civil, em nota.

Para a PC, mesmo que o ato não tenha tido testemunhas, o depoimento da jornalista vítima da ação serve como prova do processo movido contra o ex-chefe de setor.

“A palavra da vítima reverte-se de valor probatório, pois esses crimes são praticados, na maioria das vezes, na ausência das testemunhas”, informa a nota.

O inquérito entregue pela Delegacia da Mulher afirma ainda que o acusado teria submetido à vítima a situação constrangedora e em local público.

“Os meios probantes comprovaram que o investigado teria tocado na vítima de forma libidinosa, inclusive, submetendo-a a situação indesejada e constrangedora. Ademais, o fato ocorreu em órgão público, local em que se deve privar pelo respeito”, afirmou a delegada Karine Maia, responsável pelo caso.

O acusado, segundo o Código Penal, pode ser submetido a pena de reclusão por 6 a 10 anos. O inquérito foi encaminhado para a Justiça, para prosseguir nas investigações; a PC não pediu a prisão do investigado.

O que dizem os acusados

A reportagem fez contato por telefone com o acusado de ter cometido o ato de estupro na Câmara de Montes Claros. O então chefe do Setor de Comunicação do órgão demonstrou não saber, até o momento, sobre o encerramento do inquérito e disse não querer se pronunciar sobre o assunto.

A jornalista, vítima do ato, se disse muito abalada com o encerramento das investigações e afirmou ter fé na Justiça. “Deus é justo! Sei que ainda terei que percorrer por vários caminhos, mas essa decisão da PC prova que não devemos ter medo de denunciar. Durante o processo de investigação sofri muito com os olhares de dúvida, piadinhas ofensivas, mas isso me tornou mais forte para não desistir. Agradeço cada apoio de luta; tenho fé que a justiça será feita”, diz.

O que diz a Câmara Municipal

A Câmara Municipal de Montes Claros informou, por meio de nota, que “teve acesso ao Relatório do Inquérito Policial referente aos dois servidores contratados”. Segundo o órgão, o documento será analisado pelo presidente da Casa Legislativa e, só então, algum parecer será divulgado.

Uma sindicância foi instaurada para apurar a denúncia no dia 27 de fevereiro. A Câmara criou, ainda, uma Comissão Especial que faria análise do caso, formada por três servidores efetivos e apoio jurídico.

A assessoria informou  que a sindicância interna na Câmara Municipal “é sigilosa e já foi concluída”. O servidor acusado do abuso permanece afastado do cargo e a jornalista segue a rotina de trabalho do órgão.

G1

Leia Também