João Pessoa, 27 de março de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
em shopping

Rússia: 41 dos 64 mortos em incêndio eram crianças

Comentários:
publicado em 27/03/2018 às 10h48
(Foto: Alexei Druzhinin/Kremlin/Reuters)

Pelo menos 41 crianças faleceram no incêndio de domingo que matou 64 pessoas em um shopping de Kemerovo, na Sibéria, segundo afirmaram autoridades nesta terça-feira (27). O presidente russo, Vladimir Putin, atribuiu a tragédia à “negligência criminosa”.

O incêndio atingiu o quarto andar, onde estão as salas de cinema e a praça de jogos infantis. Muitas crianças estavam no local na hora que o fogo começou. Os números de desaparecidos são conflituosos –acredita-se que entre 78 e 85 pessoas estejam desaparecidas, segundo a agência de notícias Interfax, e cerca de 70% delas são crianças com idade entre 10 e 13 anos.

“Há duas hipóteses: uma, um curto-circuito provocado por defeitos do sistema elétrico, e a outra – que acreditamos ser muito menos possível – é que alguém tenha acendido um fogo”, disse presidente do Comitê de Instrução da Rússia (CIR), Alexcandr Bastrikin.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, que no início da manhã depositou flores no local da tragédia, se reuniu com um grupo de cidadãos no necrotério e prometeu que “todos os culpados serão punidos”. “Falamos de demografia e perdemos tantas pessoas. Por quê? Por negligência criminal, por descuido”, afirmou Putin durante a visita a Kemerovo, cidade da Sibéria Ocidental.

Investigadores e testemunhas afirmam que as saídas de emergência estavam trancadas e não foram ouvidos alarmes de advertência aos clientes do shopping no início do incêndio.

“Os funcionários responsáveis pela segurança, de organizar a retirada, foram primeiros em sair correndo”, denunciou Bastrikin, acrescentando que entre os funcionários do shopping “praticamente não tiveram vítimas”.

Quatro pessoas foram detidas em decorrência do ocorrido, incluindo donos e locatários de lojas do shopping. A Comissão Investigativa disse que pretende levar o dono do shopping para depor.

Uol com agências internacionais

Leia Também